Monday, March 14, 2005

Escrever

Adoro escrever!
Comecei, como criança, por uns poemas engraçados (ou, pelo menos, assim o pensavam os meus pais que, embevecidos, os davam a ler aos amigos), continuei em adolescente, com uns poemas parvos (que, felizmente, nunca dei a ler a ninguém), e fui perdendo o gás à medida que crescia e que compreendia que a matéria prima não seria da melhor qualidade...
Ainda assim, sobrou-me o outro lado da moeda que é o adorar ler. Perco-me, horas a fio, noutros mundos que me ajudam a completar, umas vezes, ou a esquecer, outras vezes, o meu próprio mundo.
Por vezes irrito-me com os autores; por variadas razões! Uma delas é a raiva que sinto por escreverem o que eu gostaria de ter escrito e da forma como o gostaria de ter feito. Este puro sentimento de "inveja" é uma sentida homenagem que eu presto aos meus escritores favoritos.

7 Flocos de neve

Anonymous Anonymous atirou uma bola de neve ...

Ler e não escrever é andar na sombra do pensamento dos outros; é coleccionar silhuetas recortadas pela sombra das personagens que outros descreveram e deram vida numa história cujo curso seguimos apenas da margem, página a página, de lombada a lombada.

Ler e não escrever é passear-se nos corredores dos passos perdidos.

10:23 am  
Anonymous Anonymous atirou uma bola de neve ...

Ler e não escrever é andar na sombra do pensamento dos outros; é coleccionar silhuetas recortadas pela sombra das personagens que outros descreveram e deram vida numa história cujo curso seguimos apenas da margem, página a página, de lombada a lombada.

Ler e não escrever é passear-se nos corredores dos passos perdidos.

10:24 am  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Este blogue é a prova de que estou totalmente de acordo consigo.
Obrigada pela visita.

11:52 am  
Anonymous Anonymous atirou uma bola de neve ...

E escreve mais do que neste blog?

3:50 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

De momento não. Mas tenho vontade!

4:28 pm  
Blogger Laura Lara atirou uma bola de neve ...

Também eu gostaria de ter escrito... Gostaria também de ter pintado... Mas a vida não o permitiu. E não sinto muita pena. Dou valor ao que a vida me deu de bom. Um bom lar, uns óptimos filhos, um trabalho que sempre me satisfez, pessoas óptimas com quem trabalhei – recordo o Eng. RM, o Dr. MM, o Dr. VL e tantas outras. Quando finalmente me aposentei e sonhei poder escrever, poder pintar, poder tratar das minhas colecções de moedas e fichas, as contingências da vida obrigaram-me a tratar de dois netos. Que importa tudo comparado com o privilégio de poder dar aos netos aquilo que a vida ainda me permite?

E quando leio certos livros, sinto também aquela “inveja” de não ter podido, nem sabido, escrever certas coisas. Por exemplo, a forma magistral como o Mia Couto brinca com as palavras enche-me de nostalgia. O que é que teria conseguido se tivesse tentado?

6:31 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Pois é. Como diz o provérbio, o homem põe e Deus dispõe!

6:46 pm  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento