Friday, March 18, 2005

Lusofonia

Os dois gandes ecos que nos chegam das primeiras medidas do novo governo dizem respeito ao número de mulheres com pastas ministeriais e à lusofonia.
Tenho que admitir que o segundo tema me interessa particularmente e a tantos outros, aliás, dado o debate que está a provocar na blogosfera.
Vivendo no estrangeiro sinto todos os dias a minha diferença, quer do ponto de vista cultural quer linguístico. Diferença que os esforços da União europeia ainda não conseguiram compensar com, por exemplo, a criação da cidadania de União.
Essa diferença, também a sinto nos demais países estrangeiros, quer sejam ou não membros da União. Não fora o Figo e ninguém saberia nada de Portugal nem dos portugueses...
Em casa só me sinto no espaço da lusofonia. E digo isto sem paternalismos ou sentimentos imperialistas fora de época! Digo-o, porque é verdade. Porque a língua comum e as raízes culturais partilhadas me dão a minha necessária circunstância, completando assim o meu eu.
Disse num post anterior que tenho pena que a CPLP não funcione de forma eficaz. Todos os países de língua portuguesa teriam a ganhar com um organismo capaz de promover efectivamente um verdadeiro intercâmbio nomedamente cultural.