Monday, March 21, 2005

Prioridades

A notícia sobre a morte dos dois polícias em Portugal, o filme "Hotel Rwanda" sobre o genocídio no Rwanda, são dois casos, meros exemplos, de que é preciso parar e relativizar a nossa posição. Não é que eu ache que o maior mal dos outros nos reconforta no nosso menor mal, porque, como se diz, com o mal dos outros podemos nós bem. O que me obriga a parar é a enormidade e, sobretudo, a perenidade de certos males, como os mencionados.
Para os males menores há esperança de saída, de um novo caminho que se abre e que, necessariamente, oferecerá novas perspectivas. Basta descobrir esse caminho e ter a coragem de caminhar no desconhecido.
Hoje é Ssegunda e apesar da rotina de mais uma semana de trabalho, é uma semana novinha em folha que temos à frente para viver. Vamos a isso!

1 Flocos de neve

Blogger Laura Lara atirou uma bola de neve ...

Princípios

Podíamos saber um pouco mais
da morte. Mas não seria isso que nos faria
ter vontade de morrer mais
depressa.

Podíamos saber um pouco mais
da vida. Talvez não precisássemos de viver
tanto, quando só o que é preciso é saber
que temos de viver.

Podíamos saber um pouco mais
do amor. Mas não seria isso que nos faria deixar
de amar ao saber exactamente o que é o amor, ou
amar mais ainda ao descobrir que, mesmo assim, nada
sabemos do amor.

Nuno Júdice

3:20 pm  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento