Thursday, November 17, 2005

Em busca

Há momentos em que as palavras não chegam! Ou então é mesmo falta de jeito.
Desenhar não sabia. Cantar só no banho e mais para se distrair. Se bem que certas canções conseguem dizer mais e melhor do que parece à primeira vista. Tentou recordar uma qualquer que lhe desse umas dicas para a mensagem que pretendia passar. Mas tudo lhe soava ou lamechas ou demasiado marcado no tempo como Moustaki “ma liberté longtemps je l’ai gardée…”, como Chico Buarque “estava à toa na vida …”
No fundo, porquê procurar palavras novas para dizer sentimentos antigos como a humanidade? Seria como procurar um palavrão original para dedicar ao automobilista da frente que vira sem fazer pisca ou que trava por motivos que são muito dele, tão dele, que os outros não alcançam. Não perderia tempo a pensar numa forma diferente de lhe dizer que fosse levar o carro a pastar para bem longe…
Talvez seja o facto de pensar! É, é isso. A solução está em seguir o impulso, decide. Podia experimentar dizer “sabes, gosto de gente como tu!”. Cru, demasiado cru. Onde está a poesia? Então é isso, falta a rima.
E decide procurar a Florbela Espanca que deve estar algures dentro de si!

10 Flocos de neve

Blogger Carlota atirou uma bola de neve ...

Porquê fazer simples quando podemos complicar?...
Deixa lá a Florbela sossegada. A não ser que seja aquela restaurada pelo Herman, nos bons tempos do Humor de Perdição, pois essa põe-nos bem dispostos.
Beijolas

10:45 am  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Carlota
Ainda aqui uma pessoa a produzir textos profundo e tu sais-me com o Herman!...
Pronto, então está bem.
;-)

10:51 am  
Blogger Madalena atirou uma bola de neve ...

A Florbela é muito triste!
Há muita poesia na frase: gosto de gente como tu!!!
É a expressão do eu! É poesia!
beijinho, Pitucha!
Florbela, mesmo só pela voz dos Trovante!

3:03 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Concordo contigo Madalena, é triste mas é de uma beleza intemporal, como bem o provam os Trovante!
Beijos

3:14 pm  
Blogger Formiga Rabiga atirou uma bola de neve ...

Procurar a Florbela que há dentro de nós é procurar sofrimento. Pode ser inspirador mas doi que se farta. Procura outra! Haverá uma menos sofrida e igualmente inspirada : )

8:51 pm  
Blogger Dilbert atirou uma bola de neve ...

Bem... eu sou suspeito... é que simplesmente adoro a Florbela Espanca...
Uma beijoka amiga e crua :)

10:53 pm  
Blogger Cristina atirou uma bola de neve ...

Eu adoro a Florbela, mas estou ciente que muito o que ela escreve é um pouco triste, mas que é lindo é
:)
um beijinhu para ti

2:03 am  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Formiga
Alguma sugestão?
;-)

Dilbert
Tens bom gosto! Sempre achei, aliás.
Beijos em rima

Nita
Deixa, nunca chegarei à altura dela.
Beijos

8:40 am  
Blogger Heidi atirou uma bola de neve ...

Florbela Espanca é simplesmente intemporal! Pode lembrar sofrimento, dor mas é uma poesia que nos toca e que não nos deixa jamais indiferentes. Um dos meus poemas preferidos está no meu canto, espreita!;-)

10:00 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Olá Heidi.
Obrigada pela tua visita e já fui espreitar o teu cantinho.
Beijos

8:51 am  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento