Friday, July 29, 2005

Vou a banhos!

Chegou a minha vez – vou de férias !
Férias, férias, férias, iuupi, iiiiuuupiiiii!
Um dia eu volto!

Thursday, July 28, 2005

Sugestões

De férias, num blogue muito giro.
Lilla, creio que o Alentejo ainda não se cruzou na rota do Ricardo Freire mas há outras sugestões fantásticas.
Espumante, em agradecimento do gelado, vai até ao dito blogue e clica em Luanda na coluna da direita (não consigo linkar o post!).

E se de repente alguém lhe oferecer flores?

Hoje estou sensível!
Deve ser porque estou quase a ir de férias e que o tempo está a passar lenta, lentamente. Deve ser a angústia de ter que preparar a mala e de não esquecer nada. Deve ser a ânsia de chegar e de me deixar ficar no “dolce fare niente” sob o sol. Deve ser a lista de livros que gostaria de ler durante as férias e que vão pesar na mala se decidir levá-los todos.
Deve ser por isto que dormi mal e pouco.
Deve ser por isto que o esforço de me concentrar me esgota.

P.S. Ainda por cima, comecei o dia a ouvir o Mário Soares a dizer que está a meditar!

Só vejo uma solução (dado que o café não resultou). Ou me aninho em gelado (bom para o mental mas perturbador para o físico) ou alguém me dá uma flor.

Wednesday, July 27, 2005

Segurança

O Diário Digital diz-me isto.
Notícia preocupante.
Fui ver o Le Soir que confirma.

Bom! ...(momento de pausa)... vou continuar a viver!

Tuesday, July 26, 2005

First shoot, then ask!

In February, after Sajid Badat, a 25-year-old ex-grammar school boy from Gloucester admitted planning to blow up a flight between Amsterdam and the US, the head of the Metropolitan police's anti-terrorist branch, Deputy Assistant Commissioner Peter Clarke, said: "We must ask how a young British man was transformed from an intelligent, articulate person who was well respected, into a person who has pleaded guilty to one of the most serious crimes that you can think of."
A policy that lets the police shoot first and ask that question later will have a drastic effect on the kind of answer they are likely to get., escreveu um jornalista britânico.
O artigo completo está aqui.

Medo

A morte, por engano, do cidadão brasileiro em Londres é preocupante! Não só porque um inocente foi morto pela polícia numa operação que visava garantir a segurança dos cidadãos inocentes, mas sobretudo devido à forma como o foi!
Disparar oito vezes contra uma pessoa só com base em suspeitas, sem que da parte dessa pessoa tivesse havido um acto objectivo de agressão, significa, no meu ponto de vista, duas coisa: primeira, que é muito difícil encontrar os justos equilíbrios – neste caso, entre garantir a segurança das pessoas sem que isso as conduza a novos limites de insegurança; segunda, que a polícia britânica está assustada, com medo, com os dedos à flor do gatilho.
E isto é o que os terroristas querem: não é matar gente (mero sub-produto da actividade exercida para atingir o objectivo final); é deixar as pessoas aterrorizadas, é levá-las a viver com medo, numa vida de terror.

Monday, July 25, 2005

Nevoeiro

Lisboa estava adormecida sob denso manto de nevoeiro. Leitoso, húmido, espesso!
A janela abria-se sobre esse horizonte sem alcance, os ruídos abafados para lá do visível.
A Rafaela arredondou os olhos e concluiu: “avó, roubaram o mundo!”

Como disse?

A Maria descobriu isto e até nos deixou o link.
Ainda não percebi o alcance da coisa mas a culpa é decerto minha...

Friday, July 22, 2005

Recebido por e-mail


Comunicado do Gabinete do Primeiro-Ministro

Faz o Governo saber que, até nova ordem, tendo em consideração a actual situação das contas públicas e como medida de contenção de despesas, a luz ao fundo do túnel será desligada.

Wednesday, July 20, 2005

Avó

Digam lá que este texto sobre as avós não é lindo?
Um beijo para a minha avó.

Tarde de domingo

Enroscada no sofá, perdida no apoio das almofadas, prepara-se para ler. Não é uma actividade simples; exige a posição certa, a luz exacta, o conforto necessário. Para se perder numa história para além das letras, cifra que se decifra para se chegar ao destino. Afinal, uma viagem prepara-se! O bilhete, o passaporte, uma mala.
Postos os óculos, livro nas mãos, começa a viagem.
A descolagem faz-se lentamente, é preciso perceber a trama. O ritmo vai progressivamente aumentando até chegar à sofreguidão de querer chegar ao fim, conhecer o desenlace. Os sentidos fecham-se a outros mundos, só os olhos guardam toda a vivacidade deslizando letra a letra, linha a linha, página a página. As mãos agarram o livro segundo a intensidade da aventura, vão preparando o virar de página com antecedência, para que o ritmo não se quebre! Para que a aventura não se perca, sem o leitor que lhe dá vida e sentido.
Há luzes, sentimentos, cheiros até! Há sorrisos e sobrolhos franzidos. Há o ruído leve das folhas a virar.
O cabelo desliza acompanhando a inclinação da cabeça. Num gesto rápido, habitual, puxa-o, prende-o na orelha, torce-o num movimento perdido até ao próximo voltar de página.
A história vai fazendo sentido, em altos e baixos de expectativas. As pontas são encontradas e amarradas num padrão cada vez mais lógico e claro.
O fim chega. Tantas vezes inesperado.
Encosta a cabeça para trás, sente o pescoço tenso, o corpo demasiado enrolado no sofá.
E os olhos, espantados, verificam que já é noite.

Tuesday, July 19, 2005

?

A vida tem demasiados porquês e poucas respostas!
Porquê?

Agradecimento

Ao Olissipo que eu conheci por intermédio da Guida Alves pela publicação desta série sobre os Olivais. Lá cresci...

Friday, July 15, 2005

Camera, action!

Há pessoas que tém uma imaginação delirante, de facto. Tim Burton é um deles. “Charlie and the chocolate factory” é um filme muito engraçado, com a presença fantástica de Johnny Depp.
Por vezes gostaria de poder refugiar-me noutro mundo, que não fosse governado pelas mesmas leis que este – um mundo sem gravidade, feito de cores fortes e de traços precisos. Onde os bons fossem bons, os maus fossem maus e onde, no fim, os maus fossem sempre castigados. Um mundo justo e simples como o fazem os olhos das crianças.
Valha-nos o cinema que, por umas horas, nos faz espectadores desses sonhos!

Thursday, July 14, 2005

Silêncio

Hoje, dois minutos de silêncio pelas vítimas dos ataques de Londres, ao meio-dia de Londres, 13h00 em Bruxelas.

Wednesday, July 13, 2005

Barulho

Cada vez que pára a fotocopiadora, cada vez que desligo o computador, cada vez que apago as luzes de tecto do gabinete, verifico que trabalho no meio de ruído constante!
Acrescentem-se os telefones fixos, os móveis (cada colega com sua música) e os diferentes alarmes dos computadores!
Adicionem-se os passos nos corredores, as conversas cruzadas em várias línguas e o carrinho do contínuo que distribui o correio!
Isto tem que fazer mal aos neurónios!...

Quase

Um pouco mais de sol - eu era brasa,
Um pouco mais de azul - eu era além.
Para atingir, faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...

Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído
Num baixo mar enganador de espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho - ó dor! - quase vivido...

Quase o amor, quase o triunfo e a chama,
Quase o princípio e o fim - quase a expansão...
Mas na minh'alma tudo se derrama...
Entanto nada foi só ilusão!

De tudo houve um começo... e tudo errou...
- Ai a dor de ser - quase, dor sem fim... -
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se elançou mas não voou...

Momentos de alma que desbaratei...
Templos aonde nunca pus um altar...
Rios que perdi sem os levar ao mar...
Ânsias que foram mas que não fixei...

Se me vagueio, encontro só indícios...
Ogivas para o sol-vejo-as cerradas;
E mãos de herói, sem fé, acobardadas,
Puseram grades sobre os precipícios...

Num ímpeto difuso de quebranto,
Tudo encetei e nada possuí...
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi...

Um pouco mais de sol - e fora brasa,
Um pouco mais de azul - e fora além.
Para atingir, faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...

Mário de Sá-Carneiro
Paris, 13-5-1913

Tuesday, July 12, 2005

Expliquem-me!

Expliquem-me esta coisa dos incêndios florestais!
Não somos o país mais quente da Europa mas eu não ouço falar de incêndios, do tamanho e com a regularidade dos portugueses, em Espanha, França, Itália, Grécia e mesmo Turquia.
Além disto, a situação portuguesa vem-se repetindo de há uns anos a esta parte e nada parece ser feito ou nada parece ser feito eficazmente para evitar esta situação.
Porque ardem as nossas florestas? Quem ganha com isso? Quais os motivos que levam pessoas a atear incêndios? São todos fogos-postos? Se não, o que fazer para evitar que o fogo se propague naturalmente?

Até quando haverá floresta para arder em Portugal?

Monday, July 11, 2005

O que eu queria

Era estar feliz, sentada num raiozinho de sol, a chupar um gelado.
Era partilhar risos e lágrimas, assim, sem remorsos nem pruridos.
Era dar e receber.
Era redescobrir a inocência passada, naquele tempo em que o presente está certo e o futuro confiante.
Era ter a certeza que há caminho neste caminho que faço.
Era que o mundo parasse o tempo de eu inspirar fundo!

Vazio

Bruxelas esvaziou-se no fim-de-semana. Hoje de manhã as ruas estavam vazias, sem os habituais passos apressados de quem vai para o trabalho! Mesmo os carros eram poucos.
O trabalho, a mesma coisa: não há vozes nos corredores, não há telefones a tocar, são poucos os e-mails que chegam.
Para cúmulo, é segunda feira!
Que dia triste o de hoje...

Friday, July 08, 2005

To London with love

Keep your fears to yourself, but share your courage with others.

Robert Louis Stevenson
Scottish author (1850 - 1894)

Thursday, July 07, 2005

Com respeito

Com a devida vénia, reproduzo este post que diz tudo.

Gente "importante"

Se há coisa que me enerva são aquelas pessoas que acham que são as únicas que trabalham e que os outros são todos uma cambada de imbecis que não faz nada. Assim sendo, nunca têm tempo para responder a nada, nunca conseguem cumprir um prazo (que, claro, são decididos por camelos que não fazem nenhum e que, consequentemente, não têm ideia do que estão a pedir), e são incapazes de falar sem arrogância e prepotência.

Pergunto-me o que verão ao espelho de manhã, quando se levantam!? Decerto não entendem como pode o mundo rodar sem eles.

Acho que vou beber um café para mudar de ares. Os e-mails tornaram essas pessoas demasiado presentes na minha vida.

Wednesday, July 06, 2005

Sem papas na língua

Na volta pelos blogues dei de caras com isto. Assim, sem mais, abruptamente!

Com desenho

Alguém explica ao Alberto João Jardim, com gráficos se necessário for, que há coisas que não se pensam e muito menos se dizem? Alguém lhe menciona, como quem não quer a coisa, as palavras Goa e Macau? Alguém lhe recorda as comunidades madeirenses na África do Sul, na Venezuela...

Tuesday, July 05, 2005

Estarei no bom caminho?

Hoje deve ser o meu dia. Acordei com a chuva a bater nas janelas mas a primeira coisa que vi, quando abri os olhos, foi um arco-íris!
Acho que é um sinal!

Monday, July 04, 2005

Por vezes sinto-me assim!

You just have to sit back and say, 'Too good,' sometimes. Hope he gets bored or something. I don't know.

Andy Roddick after losing to Roger Federer at Wimbledon.

Génio!

Only two things are infinite, the universe and human stupidity, and I'm not sure about the former.

Albert Einstein

Friday, July 01, 2005

Mergulho

"The reason I love the sea I cannot explain - it's physical. When you dive you begin to feel like an angel. It's a liberation of your weight"

Jacques-Yves Cousteau