Saturday, December 31, 2005

Último dia do ano

E o primeiro do resto da minha vida! Não é original mas é verdade.

Não dá para fazer o balanço de um ano, como foi o de 2005 para mim, no curto espaço de um post.
Foi sinuoso como as curvas do Marão, triste como os lamentos de uma guitarra e esperançoso como a fé que me anima de que a Primavera volta sempre.
Fechou ciclos e abriu outros, trocou-me os caminhos a percorrer. Por isso, deixei de ver o que havia planeado ver mas vi o que nunca sonhara ver.
Fechei livros e iniciei outros, troquei sorrisos por lágrimas e lágrimas por sorrisos.
Surpreendi-me! E já havia esquecido que a vida tem esta imensa capacidade de nos surpreender.
Descobri! E julgava que já nada havia a descobrir.
Mais um ano que temina.
Oxalá saiba merecer o novo que se aproxima.

Friday, December 30, 2005

Julgam que me importo?

Esta mania que as pessoas têm de mudar de template está a enervar-me. Agora foi a primita.
Leitoras e leitores: eu não mudo o meu porque não quero. Isto é, gosto do estilo discreto do meu blogue. Sem floreados, sem imagens, sem cores atraentes, sem originalidade, sem nada que o distinga dos demais.
Pensavam que eu não mudava porque não entendia nada disto? Nããão. Que ideia!
É que nem nunca tentei...
Fui só ver como era e vi...como era, sei lá! Tá visto, tá visto e não se fala mais no assunto.
....
*Carlota, quando regressarmos à capital da Europa quero falar contigo sobre umas coisas...

Wednesday, December 28, 2005

Soirée

Noite fantástica na companhia de Woody Allen and His New Orleans Jazz Band, no CCB.
Gostei de tudo.
Do Grande Auditório do CCB que ainda não conhecia (o que faz ser emigrante!), da música que tocaram, do ambiente descontraído que os músicos imprimiram e da excelente companhia que levava.
Não, para ser franca não gostei de tudo: não gostei do público que insistiu em usar todos os meios tecnicamente possíveis para fotografar, obrigando os empregados do CCB a correrem escada abaixo, escada acima para pedirem às pessoas que não fotografassem. Além de ser foleiro (não encontro expressão mais adequada), tanta agitação na sala distrai.

Monday, December 26, 2005

Contexto

Por vezes sinto-me desajustada.
Penso em Lisboa como a minha cidade, parada no tempo em que a deixei. Admiro-me sempre que choco com novas realidades, novas estradas, novas lojas, novos hábitos...
Espanto-me com os sítios que desconhecia, como se fosse turista na minha própria cidade.
Desespero com incompetência crónicas, enterneço-me com costumes antigos.
Delicio-me com a minha própria língua, o português, onde me sinto tão à vontade como em nenhum outro idioma.
E fico completamente perdida quando, à volta da mesa em época de Natal, a conversa versa telenovelescas personagens...

Friday, December 23, 2005

Desalento

Quando o cinzento de Bruxelas se transfere para Lisboa é tão triste!
Ò anjo estagiário, aprende que eu não estou cá sempre: cinzento em Bruxelas e sol em Lisboa!
Agora faz lá o milagre e dá-me um Natal amarelo.

Thursday, December 22, 2005

Segundo dia de Inverno

Ontem foi o dia mais pequeno do ano!
Hoje já foi um bocadinho maior...
Coragem! A Primavera vem a caminho!

Tuesday, December 20, 2005

Contexto

Se o autor de White Christmas fosse belga a canção chamar-se-ia Grey Christmas!

Monday, December 19, 2005

huerplkwxmerygd

Agora que andamos nas micro-causas, também tenho a minha.
Estou farta de escrever palavras do tipo daquela que escolhi (após aprofundada reflexão) para título, cada vez que pretendo blogocomentar!
Lutemos contra o gtrpyhv e ainda contra o wwlrmxxvt e sobretudo contra o aplmontre...
São esses os verdadeiros spams!
Quem me apoia?

Sunday, December 18, 2005

Querem lá ver!

Olha o desaforo!

Saturday, December 17, 2005

Outra perplexidade!

O empregado regressou com a sua bandeja, retirou os pratos vazios e depositou a marmelada e a tábua de queijos portugueses na mesa. Os dois homens serviram-se de queijo da serra, bem amanteigado e exalando um odor forte, e mergulharam-no em fatias de marmelada, que logo engoliram gulosamente

O Codex 632, José Rodrigues dos Santos

Expliquem-me uma coisa: como se mergulha queijo da serra (e não deveria ser queijo da Serra?) amanteigado em fatias de marmelada?

Perplexidade

Porque é que tenho tantas ideias para prendas ao longo do ano e no momento de as ir comprar nada me ocorre ?

Habemus acordum!

Mentira!
Não acreditem em nada do que a comunicação social vos diz!
O acordo foi a nível do Conselho (e foi uma coisa que não agrada a ninguém, com execepção dos portugueses que verdadeiramente não querem saber de nada, desde que o cacau continue a pingar para que a rasquice nacional continue a vigorar, dos franceses na medida em que queriam ver os ingleses chateados, dos ingleses na medida em que queriam ver os franceses chateados!) mas, para que as famosas Perspectivas Financeiras 2007-2013 sejam, de facto, acordadas é preciso o acordo do Parlamento Europeu. Que ainda não deu! E que diz que não dá com um orçamento tão reduzido!
Portanto, se a novela vos está a interessar, mantenham-se atentos porque isto ainda não acabou!

Friday, December 16, 2005

Whatever...

SEASONAL GREETING
From me ("the wishor") to you ("hereinafter called the wishees"):

Please accept without obligation, implied or implicit, my best wishes for an environmentally conscious, socially responsible, politically correct, low stress, non-addictive, gender neutral, celebration of the winter solstice holiday, practiced within the most enjoyable traditions of the religious persuasion of your choice, or secular practices of your choice, with respect for the religious/secular persuasions and/or traditions of others, or their choice not to practice religious or secular traditions at all; and a financially successful, personally fulfilling and medically uncomplicated recognition of the onset of the generally accepted calendar year 2006, but with due respect for the calendars of choice of other cultures or sects, and having regard to the race, creed, colour, age, physical ability, religious faith, choice of computer platform or dietary preference of the wishee.
By accepting this greeting you are bound by these terms that
· This greeting is subject to further clarification or withdrawal.
· This greeting is freely transferable provided that no alteration shall be made to the original greeting and that the proprietary rights of the wishor are acknowledged.
· This greeting implies no promise by the wishor to actually implement any of the wishes.
· This greeting may not be enforceable in certain jurisdictions and/or the restrictions herein may not be binding upon certain wishees in certain jurisdictions and is revocable at the sole discretion of the wishor.
· This greeting is warranted to perform as reasonably may be expected within the usual application of good tidings, for a period of one year or until the issuance of a subsequent holiday greeting, whichever comes first.
· The wishor warrants this greeting only for the limited replacement of this wish or issuance of a new wish at the sole discretion of the wishor.
· Any references in this greeting to "the Lord", "Father Christmas", "Our Saviour", or any other festive figures, whether actual or fictitious, dead or alive, shall not imply any endorsement by or from them in respect of this greeting, and all proprietary rights in any referenced third party names and images are hereby acknowledged.

Acho que sim!

Estão atrapalhados ou não?

I have the impression that we are moving, gradually, maybe slowly... in the right direction. What we need now is a united Europe, not a divided Europe.

AUSTRIAN CHANCELLOR WOLFGANG SCHUESSEL

Thursday, December 15, 2005

É giro

Ter computador em casa é giro!

Mas não contribui assim imenso, imenso para a imaginação!
Pelo contrário, aqui distraio-me com um montão de coisas!
No trabalho é mais sereno ... só de vez em quando é que os britânicos resolvem chatear os franceses e os alemães e depois vêm os polacos a dizer, hein então e nós, muito em biquinhos dos pés para ver se são tão grandes como os espanhóis, senão maiores mesmo, e os portugueses a dizerem socraticamente bem, para nós a coisa tá-se a compôr, já vêm mais fundos para Portugal e os Estónios, Letónios e outros ónios recém-aderidos a dizerem coitaditos dos portuguesitos, e a Suécia a olhar do alto do seu desprezo louro com os Países-Baixos a afirmarem guturalmente nós é que somos ricos e o Barroso a gesticular muito e a dizer então a Comissão, ninguém ouve a Comissão, ninguém me ouve, nós não estamos de acordo, é uma vergonha, oh Freitas faça lá aquele zero com os dedos outra vez a ver se eles lhe dão mais atenção e o Parlamento Europeu sentado confortavelmente a rir baixinho porque sem ele não há acordo nenhum e os deputados europeus (ilustres), por princípio, são do contra...tirando estas alturas, o local de trabalho é mesmo calmo para postar!

Entretanto, num cantinho, estão os austríacos a roer as unhas porque devem assegurar a próxima presidência e se não houver acordo amanhã vai sobrar para eles...A situação é mesmo tão má que até os finlandeses (que fazem a presidência no segundo semestre de 2006) estão a pensar se vale a pena começarem já a roer as unhas. Tipo prevenção que os nórdicos são muito planeados!

Que giro que é ter computador em casa!

Desculpem lá

Este segundo post logo logo a seguir ao anterior.
Mas é a estas horas que a RPTi dá o debate Alegre-Soares? E como é que amanhã vou construir a Europa? (Com sono, tá bem de ver!...)

Mui nobre e leal...

Desisto, juro que desisto de ver este programa imbecil da Fátima Campos Ferreira (ou lá como a mulher se chama).

Atraiu-me Macau!

Quando soube do tema, voltaram-me à memória as recordações da belíssima Praça do Leal Senado, a estranheza dos templos chineses, a beleza sufocante dos jardins, o sentimento de pertença e de não pertença em simultâneo, numa terra onde, mais do que misturadas, as culturas iam (ainda irão?) em paralelo.
Recordei a livraria portuguesa e os fantásticos livros de Henrique de Senna Fernandes.
Pensei na pastelaria “Bolo de Arroz”.
Vi-me a cruzar a ponte que voa em arcos por cima do mar.

Comovi-me, de novo, com a bandeira posta ao peito pelo General Rocha Vieira no momento da transmissão de Macau à China que havia visto, já em Bruxelas, via televisão.

Estupidamente, pensei que iria reviver emoções! Já devia ter aprendido que as emoções não se revivem! Vivem-se e recordam-se!

E este programa fez-me viver novas emoções: menos boas estas pela probreza manifestada, pela falta de profissionalismo (então a Fatinha pede, assim de surpresa, aos operadores de câmara que filmem uns bustos – “decoração” permanente do auditório da Universidade pelo que percebi – para depois dizer “que pena não é possível”! Este tipo de coisas não se prepara antes?).Cores desmaiadas e vozes desincronizadas, microfones que não eram abertos a tempo...

Concluindo: aqueles que viram o programa não desmotivem. Vale a pena visitar Macau e vale sobretudo a pena ler Henrique de Senna Fernandes!

Wednesday, December 14, 2005

É óbvio...

Que já estou acordada, há uma data de horas!
E a produzir!
Mas com a mente perdida por aí...

Tuesday, December 13, 2005

Deixem-se estar...

Continuem as vossas actividades, não se levantem, não interrompam nada por minha causa; é só que estou cansada e vou dormir.
Qualquer coisinha, a gente fala amanhã, tá?

Sorriso

"Sometimes your joy is the source of your smile, but sometimes your smile can be the source of your joy"

Thich Nhat Hanh (Vietnamese Monk, b. 1926)

Post nocturno

No silêncio do lar, para experimentar!
(Olha rimou!)

Monday, December 12, 2005

Jingle Bells...

Passeando entre mercados de Natal e lojas cheias de consumidores atrasados nos preparativos natalícios, estive o fim-de-semana rodeada de músicas de Natal, dessas que todos conhecemos em diversas versões.
Confesso que gosto das músicas (sobretudo de Santa Claus is coming to town) mas se o Natal durasse mais tempo acho que acabaria por ter um esgotamento nervoso.
Se virem alguém reagir de forma bizarra aos primeiros acordes de uma qualquer versão de Jingle Bells, posso ser eu…

Friday, December 09, 2005

Fumo

Derramada sobre a mesa, com o queixo apoiado nas palmas das mãos, observava o fumo do café. Que subia. Que se retorcia. Afunilando até desaparecer em contorções translúcidas.
Na mesa ao lado elevava-se o fumo azulado de um cigarro, por instantes pousado no cinzeiro: o tempo de tirar umas moedas do bolso para pagar a bica. O fumo subia decidido mas também ele se enrolava, se afinava e desaparecia.
Pela janela olhou para o nevoeiro que envolvia a cidade. Lembrou-se de como, em pequena, adorava ver a sua respiração fumegar da boca em dias frios. Tanto tempo já passara desde então.
Bebeu, de um só trago, o café, com pressa de viver.
Antes que a vida se esfume completamente.

Thursday, December 08, 2005

Continua a chover

Com este ritmo (quase diário) de chuva, mais século, menos século, os belgas nascem com escamas e barbatanas!

Wednesday, December 07, 2005

Encontro

Encostado ao balcão do bar, com o copo de cerveja na mão, olhava distraidamente os que o rodeavam.
A música alta impedia-o de ouvir as conversas: apenas palavras soltam lhe chegavam, sem sentido, sem nexo.
Algumas cabeças desviavam-se regularmente para o ecrã gigante que passava imagens, sem som essas, de um jogo de futebol.
Sentiu-se observado e sorriu, com meio sorriso, cabeça levantada de quem conhece o seu valor: a camisola preta de gola alta, caxemira suave, dava-lhe o ar estudado de uma certa vanguarda intelectual, mas os seus olhos azuis denunciavam uma aparente fragilidade.
Displicentemente, bebeu um golo e petiscou alguns amendoins.
Sentiu o telemóvel tremer no bolso e desligou quando viu o nome da pessoa: logo lhe diria que tinha ficado sem bateria!
Em gestos de acaso, olhou para a mulher que o observara. Estava num grupo e nem sequer tentou desviar o olhar. Sentiu que os gestos que ela fazia lhe eram dirigidos, teatralmente pondo em relevo dedos esguios, expressivos. Observou uma certa agitação na sua conversa, nos rápidos cumprimentos que fazia a conhecidos que passavam.
Consciente de que ele a olhava, ela sacudiu o cabelo da cara e iluminou os olhos com um sorriso franco, daqueles que fazem covinhas.
Do bolso das calças retirou umas chaves que segurou, ostensivamente, na mão. Com a carteira ao ombro e a écharpe enrolada ao pescoço em jeito habitual, despediu-se dos amigos e cruzou, com passos decididos o espaço que os separava, em direcção à porta. Quando passou por ele, num movimento imperceptível, soprou-lhe uma palavra.
E saiu sem olhar para trás!
Ele pousou o copo no balcão…

Tuesday, December 06, 2005

Onde estás musa?

Procurei nas luzes de Natal, nas canções de Natal (bonito o CD da Diana Krall), um tema inspirador.
Nada!
Verdadeiramente o que eu queria era tempo. Para pensar, para escrever.
Tenho perdido demasiado tempo a sonhar. Ou tê-lo-ei ganho? Não é o sonho que comanda a vida?

Monday, December 05, 2005

De corrida

para vos dizer "Olá"!
Passei um fim-de-semana intenso e agora preparo-me par retomar actividades mais normais, como, por exemplo, reuniões (juro que um dia faço uma tese sobre este fenómeno!).
Tenho uma confissão a fazer: já comprei o livro do Saramago! Assim que o ler logo vos digo o que achei!
E já agora, Pai Natal, que te aliviei de transportar este livro, podias trazer o resto que eu pedi, sim? Sim? Por favor!...

Thursday, December 01, 2005

Vou tentar

Sorrir hoje aos espanhóis sem ter um ar vitorioso!