Saturday, November 03, 2007

Desafio

A lançou um desafio *

Admito, é difícil.

Mas desafio fácil nem sequer chega a desafio. É assim uma coisa mole, para quem não tem unhas e se contenta com pouco.

Mas este é um desafio aterrador.

Porque exige que use palavras que nem sequer conheço bem, palavras, como “corneador” que me lançam em certezas corridas por caminhos que depois me intrigam. Hesito, páro, leio de novo a palavra e assaltam-me dúvidas.

Decido servir-me de um whisky, liberdade da autora que, no lado sem letras da vida, não bebe whisky. Caipirinha, muito doce, isso sim! Quanto ao whisky, reconhece-lhe o glamour mas não se adapta ao gosto seco, rugoso.

O whisky aquecer-me-á o sangue, espero, o suficiente para enfrentar os medos que invento e que percorrem as ruas da cidade, de noite, quando as luzes, fracas, se desdobram em sombras medonhas e os ruídos se propagam em crescendo de eco.

Mais um golo e vou transportada para outros momentos em que, julgo, fui feliz. Os ruídos, esses, eram diferentes, vinham do mato, atravessavam a lona da tenda e envolviam as páginas do romance com imagens de leões e elefantes e chitas e hienas. Um galho que quebrava, ali ao lado, pois juro que era logo ali ao lado, assustava-me e empurrava-me, ainda mais, para o fofinho da cama; não há dúvida que o corpo cansado, dá nova escala de valores a qualquer saco-cama.

Contudo, a curiosidade fala mais alto, ainda mais alto do que o ensurdecedor silêncio da savana, liberto de carros e de motos e de jovens apressados que tentam viver a vida numa noite.

São sons novos, sem forma nem conteúdo. Que os olhos não vêem porque a minúscula lanterna não alumia para além da clareira e os barulhos, antes tão perto, estão agora mais longe, estão assim que termina o alcance da minha pequena luz.

Abro ainda mais os olhos, estico-os para longe, tento decifrar a nova linguagem que me rodeia. Que me eriça os pêlos, que me acelera o coração, que me agarra com desespero de vida à lona da tenda, à luz que empunho como arma.

Um discreto cric, um ligeiro crac, e a mão desvia-se em pânico. A minha diminuta luz gela um pequeno escaravelho, enorme na história que já construi, som a som, medo a medo, na minha cabeça. Um bicho nojento. Gelo com ele. E ficamos os dois, ali. Deixou de haver ruído, a lanterna tremelica. Ou será a mão?

Sobressalto-me!

É o telefone.

Queres aproveitar o sol e dar uma volta de bicicleta?


* O desafio é escrever um conto de terror, usando as seguintes palavras: Whisky, Corneador, Sangue, Fofinho, Escaravelho, Nojento, Cama, Unhas, Bicicleta, Mato.

13 Flocos de neve

Blogger Ana Paula atirou uma bola de neve ...

O desafio parece-me do mais giro e interessante como ideia! :)
Quanto ao teu conto de terror, achei tremendo o som do escaravelho (cric, crac...!)! Terrível também o próprio animal que é, à partida, um ser horrendo e que me repugna de verdade. Razão mais do que suficiente para ter apreciado tanto este teu conto de terror!
Os medos precisam de ser enfrentados.

Obrigada! E um bom fim-de-semana, aí pelo cinzento de Bruxelas, Pituxa!

P.S. - O sol e a bicicleta pareceram-me uma excelente opção! :)

8:39 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Ana Paula
E não quererás aceitar o desafio também?
Beijos

9:24 pm  
Blogger Melões Melodia atirou uma bola de neve ...

Muito bons, o desafio e o texto.
Beijos

9:35 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Melões
Obrigada
Beijos

11:54 pm  
Blogger carol atirou uma bola de neve ...

Gostei muito. Muito bem escrito.
Bj*

8:08 pm  
Blogger Laura Lara atirou uma bola de neve ...

Aceitei o desafio! Está lá na minha senda.
Beijinhos

9:02 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Carol
Obrigada.
Beijos

Mãe
Vou já lá.
Beijos

8:04 am  
Blogger 125_azul atirou uma bola de neve ...

Aiiiiii, caramba! (carambinhas, se preferires...)

10:48 am  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Azulita
Lol.
Beijos

10:51 am  
Blogger  atirou uma bola de neve ...

Ma-ra-vi-lho-so!!
Estava tao embrenhada, que so quando cheguei ao fim e que percebi! Muito fixe!

B
:)

4:49 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...


Obrigada.
Beijos

4:58 pm  
Blogger Sinapse atirou uma bola de neve ...

Excelente, Pitucha!

Gostei da ideia! Vou tentar pegar neste desafio. Vou esforçar-me ... não sei sequer se vou conseguir produzir tal conto de terror ... logo se verá, no Postais de BXL ...

10:08 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Sinapse
Fico curiosa!
Beijos

8:30 am  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento