Saturday, January 27, 2007

Fui obrigada ... mas reclamo!

Fui obrigada a mudar o Cinzento para a versão beta e lavro aqui o meu protesto!
Isto, que era suposto estar mais fácil e cheio de coisas fantásticas, é uma porcaria pegada: muitos dos meus comentadores viraram anónimos (o que é extraordinário porque eu não aceito anónimos!), é uma confusão para entrar, postar e responder aos comentários!
Não gosto! É que não gosto mesmo.
Não é por causa disto mas, nem de propósito, vou hibernar por uns tempos.
Voltarei! (Se esta beta porcaria deixar, claro!)

Labels: ,

Thursday, January 25, 2007

Mini-entrevista

Ide lá ver.

Obrigada, Luís, pela iniciativa e pelo convite.

Wednesday, January 24, 2007

Aí está ele!

Chegou!
Finalmente, acrescentam alguns. Infelizmente, lamentam outros.
Veio possante, sem hesitações.
Implacável.
Introduz-se pelas mais pequenas frestas, procura aquele espaço entre a manga e a luva para assentar um arrepio.
Brinca, insensatamente, no limite da negatividade, ficando-se naquele zero neutral que tudo deixa pressagiar.
Ameaça com neve! Goza-nos com gelados raios de sol! Cobre a noite de fino véu gelado, esbranquiçado.
Empurra-nos para dentro de portas, transforma em sonho distante os agradáveis serões de Verão em que as esplanadas são acolhedoras.
Frio, frio, frio.

Monday, January 22, 2007

Crónicas de Bruxelas 11

Mais dois Estados-membros, mais dois povos para este caldinho de gentes e de línguas.

O esforço para bem receber os romenos e os búlgaros passa por divulgar estes dois países, em termos quase enciclopédicos, língua, capital, moeda.

A curiosidade é ainda saciada com semanas gastronómicas, algumas músicas e recordações de factos históricos que, não só recordam as ligações europeias como reforçam a óbvia pertença à União Europeia.

A curiosidade que ainda existe é de saber como são eles no dia a dia, no trabalho e nas relações sociais, como se integrarão, que particularidades os distinguirá dos demais.

Lembro-me da adesão da Suécia e da Finlândia: países ricos, socialmente estáveis, não deixava antever dificuldades!

De facto, as formalidades das negociações decorreram sem problemas de maior (tirando o facto de terem sido feitas ao mesmo tempo que as da Noruega que, no final, em referendo interno, disse não obrigada o que poderia ter dado ideias aos vizinhos escandinavos…).

Mas a chegada dos louros nórdicos, de olhos azuis, deixou os que por cá já andavam desorientados com as regras da etiqueta social que, no nosso entender, os novos cidadãos europeus não tinham.

Passada a primeira fase, necessariamente individual (e porque será que o gajo fingiu que não me viu e não respondeu aos meus votos de bom dia?), a análise passou a colectiva. E à volta de café, lá se ia discutindo o que se passaria com os nórdicos, louros mas tão estranhos!

A relativa intimidade que as relações de trabalho sempre cria, permitiu a pergunta, ainda que a medo, assim como quem não quer a coisa.

A explicação, afinal, não reside numa colectiva falta de educação social mas em hábitos diferentes e na recusa daquilo a que eles chamam a "hipocrisia social". Eles, parece, estão-se nas tintas para que o dia dos outros seja bom ou não e não vão pôr-se para aí a desejar coisas que não sentem! É uma maneira de ver as coisas…

Depois disso, já os hábitos, usos e costumes foram dissecados e vistos à lupa e já sabemos que, caso sejamos convidados para jantar em casa de suecos, não se deve pedir a receita à dona-de-casa!

E só não andamos aqui todos baralhados com o "tu" e o "vós" porque o inglês nos liberta destas coisas. Que em francês tudo isto fia mais fino.

Em jeito de gincana, lá vamos digerindo a verborreia dos gregos, a "quadradice" dos alemães, a soberba dos franceses, a arrogância dos polacos e assim por diante até darmos com os luxemburgueses que andam por aqui desde o primeiríssimo dia e ninguém os distingue dos alemães, dos franceses ou dos belgas consoante a fronteira mais próxima. Lá vamos trabalhando com a oposição dos britânicos, a desorganização dos italianos, a desconfiança dos austríacos, a elegante discrição dos dinamarqueses e as entradas de toureio dos espanhóis. Lá vamos acompanhando os cafés com a simpatia dos eslovenos, os pastéis de nata dos portugueses e o sol luminoso dos malteses.

E agora são os búlgaros e os romenos que aí estão, para pôr à prova a nossa diplomacia e a arte de bem conviver com tanta diversidade.

Friday, January 19, 2007

Disse 19 de Janeiro?

Pois o meu manito faz anos e eu não encontro, nem por nada, o endereço e-mail!
Olha, vai assim mesmo, em público, parabéns a ti e sorte a tua que desta vez não esqueci!
E já agora, se passares por aqui, ou alguém te mandar recado (olá F.!) manda o mail. E uma fatia de bolo de anos, se não for pedir muito...

Thursday, January 18, 2007

O meu Moleskine e eu (8)

O Ministério da Saúde não vai abrir um inquérito ao caso de um homem de Odemira que morreu depois de ter demorado mais de seis horas a chegar ao hospital.

Sim, assegura o ministro, ele não é do tipo de fazer demagogia com inquéritos, quando sabe que todas as normas foram cumpridas.

Logo, dentro do respeito das regras e tendo todos respeitado plenamente as suas obrigações, um ser humano demorou seis horas a chegar a um hospital.

Recorda-me aquela história do naufrágio do barco de pesca na Nazaré.

Tudo dentro dos conformes.

Algum de nós, ou o ministro ou eu, está ver o filme ao contrário!

Wednesday, January 17, 2007

Não acham?

Não acham que pedir um whisky on the rocks dá estilo?

Uma maçada eu detestar whisky!

Monday, January 15, 2007

Que bom seria se fosse

Não devia deixar o pensamento transformar-se em sonhos e criar histórias que só existiam enquanto alimentasse essa ilusão.

Sofreria, decerto!

Porque se adiantaria à realidade, porque se afastaria dela.

E os entendimentos profundos que anteveria, mais não são, agora, neste momento, do que histórias inventadas.

Não sabia se teria capacidade, engenho e arte como diria o poeta, para ultrapassar as barreiras que separam os mundos.

Ademais, muitas vezes os sonhados encontros desencontram-se no lado real da vida e fica o amargo sabor do que nunca foi mas tanto se idealizou.

Melhor deixar assim, acariciar a ilusão sem ilusões de realidade. Viver o sonho sem sonhos de o viver.

Melhor assim!

1, 2, acima, abaixo

O meu sonho é um dia fazer uma aula interinha de ginástica e não me custar nada!
Estica, encolhe, vamos lá a apertar esses abdominais, seguimos para os bícepes e os trícepes e agora os ombros e eu ali, de sorriso radioso, levanta peso, baixa peso e eu na maior, 12 repetições, 15 se for preciso e trá lá lá lá seguindo a música...

Os dias de sol em Bruxelas provocam-me destes delírios...

Saturday, January 13, 2007

Desisto

Não temos todos que saber cozinhar, pois não? *

*Post escrito ao cheiro de arroz queimado!

Wednesday, January 10, 2007

Desejo

E ficou assim.
Sentia que tinha um sorriso estampado na cara mas não se importou. Afinal estava bem.
Olhou em volta. Viu que as cabeças se desviavam, discretamente, como se não tivessem reparado.
Franziu ligeiramente o sobrolho.
E tornou a sorrir, para si, olhando para dentro de si, para as memórias daqueles olhos verdes, seriam verdes?, que a tinham prendido.
Reviu o jeito de sacudir o cabelo para o afastar da cara.
Os gestos das mãos, ora pacíficos, ora enervados.
Mas eram os olhos (seriam verdes?) que a puxavam da sua realidade, que a impeliam a refugiar-se dentro de si.
Quando pensava neles, sorria.
Por vezes abanava a cabeça para a libertar destes sonhos perversos. Tentava concentrar-se no trabalho.
Mas logo se sentia a sorrir e a deixar o pensamento voar para histórias inventadas, onde os olhos, os verdes olhos, grandes, suaves, se perderiam nos seus, como agora se deleitava neles.
Recostara-se na cadeira.
Brincava com os óculos.
Com ar resignado, retomou a leitura do relatório e renunciou à vontade de lhe telefonar.

Um dia

Um dia subo para uma nuvem, uma das mais branquinhas, aconchego-me no fofinho das suas curvas e deixo-me ir ao sabor do vento.

Tuesday, January 09, 2007

Explicação do post anterior

Sim, para ti Carlota!

De noite não me apetece ir dormir, de manhã não quero levantar-me e ter que enfrentar estes dias cinzentos e chuvosos!

E não me venhas dizer que não está frio! Sobretudo não te atrevas a tal! Cinzento, molhado e 10°C é um tempo de cão e, sim, prefiro a almofada...

Além de que 10°C é frio! É! Talvez devesse estar mais frio dado o período do ano mas isso não faz dos 10°C calor, pois não?

Entendidas?

Porque será?

Porque será que, de noite, a almofada nada tem para me dizer e de manhã é uma tagarela sem fim?

Saturday, January 06, 2007

Acolhedor

O serão de ontem foi um daqueles momentos que gostaríamos de prolongar, prolongar, prolongar...

A conversa girou, como o mundo, à volta do mundo, entre sorrisos e gargalhadas, cumplicidades e reencontros numa casa linda e acolhedora feita de recordações de viagens, vivências passadas sentidas hoje e aceites no futuro. Sem remorsos, nem rancores. Só com ternura e champagne para acolher o novo ano dentro da tradição.

Confirmando Ortega y Gasset, eu sou eu e a minha circunstância. Ontem, essa minha circunstância foi acolhedora, apesar da chuva.

Mensagem?

Sábado de saldos.
E chove, chove, chove...
Será uma mensagem divina contra o consumismo?
Divina ou não, molha.

Vou até ao ginásio. Sempre é indoors!

Friday, January 05, 2007

O meu Moleskine e eu (7)

Ontem vi a entrevista de Jorge Sampaio na RTPi.
Foi, decerto, o cansaço da viagem que motivou que me alongasse no sofá e que nem o dedo tivesse genica para tocar no comando...
E surpreendi-me!
Mas apenas parcialmente.
Do lado, precisamente, de Jorge Sampaio.
Do outro...mas não haverá um entrevistador, nem que seja um só!, em toda e RTP que saiba que não se cortam as respostas, sobretudo quando estas são interessantes porque, além do mais, é falta de educação, que faça perguntas inteligentes (é que ela perguntou, então como é que está a viver sem as mordomias inerentes ao cargo!) e que saiba tratar publicamente uma personalidade?
Um só?!

Thursday, January 04, 2007

Comecemos 2007 com manias!

Eis as regras de mais este carrossel bloguístico: “Cada bloguista participante tem de enunciar cinco manias suas, hábitos muito pessoais que os diferenciem do comum dos mortais. E além de dar ao público conhecimento dessas particularidades, tem de escolher cinco outros bloguistas para entrarem, igualmente, no jogo, não se esquecendo de deixar nos respectivos blogues aviso do “recrutamento”. Ademais, cada participante deve reproduzir este “regulamento” no seu blogue.”

E foi isto que o LB me ofertou para bem começar 2007.

E, como sou moça de boa índole, aqui vão umas maniazinhas minhas, que são daquelas que não fazem mal a ninguém e que nem sequer me diferenciam muitos dos demais “manientos” deste mundo porque as minhas manias são assim como eu, discretas!

Tenho a mania de ser pontual. E tenho a mania de achar que os outros devem ser pontuais…

Tenho a mania de aproveitar bem o tempo e fico muito preocupada quando acho que estou a desperdiçá-lo.

Tenho a mania de me sentar ao sol. E fico desorientada quando ele me falta!

Tenho a mania de que controlo a minha vida, não obstante ela já me ter provado, várias vezes, que o meu controlo é fraco.

Tenho a mania de que dormir é supérfluo.

E as vítimas são:

MCM
Bia di sal

Francis C. Afonso
Brígida
Formiga Rabiga
(para ver se renasce como o ano!)

Monday, January 01, 2007

Here we go again!

Um novo ano!
Como aconteceu há um ano. E há dois. E há três. E há quatro...
E depois admiram-se que a história se repita!