Wednesday, February 28, 2007

Eureka

Sempre me perguntei onde meteria este pequeno país plano tanta chuva.
Confesso, é coisa que me intriga.
Chuva e mais chuva e nem sinais de cheias e demais catrástrofes associadas à água que cai do céu (excepto alguns túneis rodoviários bruxelenses que inundam por dá cá aquela gota, problema que associo mais à concepção arquitectural da coisa do que ao país em si!)
Depois de muito magicar cheguei a uma conclusão: este país, no fundo, é uma esponja!

Aniversário

Dois anos de andanças blogoesféricas.
Inda isto é uma criança!

Tuesday, February 27, 2007

Pele de raia

Os livros são o espelho de um povo, na sua cultura, nas suas tradições, nas maneiras de encarar a vida e de registar a história.

Agora tenho na minha mesa de cabeceira "Le silence des Chagos" de Shenaz Patel, escritora das Maurícias, que nos transmite o que foi o quotidiano antes e depois de independência.

Mas não é disto que vou falar. Nem do cadinho de raças, de culturas e de religiões que coabitam sem se chocarem, indiferentes aos desastres deste mundo.

Vou falar de Séga, a dança tradicional das ilhas Maurícias, onde os corpos em movimento acelerado afastam as dores preocupadas de cada dia, expulsando-as em suor e em rodopios coloridos.

A percussão era dada por uma espécie de adufe feito em pele de raia. Pele cuidadosamente esticada, cuidadosamente aquecida, para dela sair o mais vibrante som, capaz de aceitar e vencer os desafios tocados e dançados na praia, até ao amanhecer, quando já só restam corpos esgotados e almas adormecidas pelo Kalou (álcool de côco).

Hoje já não! Hoje a pele de raia foi substituída por material sintético, sem carinho de fabricação, sem histórias para jorrar num papel.

Monday, February 26, 2007

Ora bolas!

E não é que consegui não ver The Departed, que, por acaso, ganhou o Oscar de Melhor filme?

Friday, February 23, 2007

Conselho amigo

Perante a minha hesitação em dar determinado passo, disse-me uma amiga:

Vai! Depois logo se vê. Uma pessoa pode (e se calhar deve) arrepender-se de certas coisas que fez mas não é muito inteligente arrepender-se de coisas que não fez.

Ainda assim, não sei se terei coragem de ir!

Graças a Deus

Felizmente é sexta-feira!

Thursday, February 22, 2007

Misteriosos caminhos

"Qual a roupa que mais se usa em Bruxelas?" perguntou alguém ao Google.

E o google abriu-lhe o caminho até este humilde blogue.

Como não gosto de deixar ninguém nas trevas da ignorância, aqui vai a resposta: chapéu de chuva!

Wednesday, February 21, 2007

Post it: não ligar a TV hoje

Tenho andado embrenhada nos meus afazeres laborais e pouco tem sobrado para o mundo que me rodeia.

Ainda assim creio saber (reparem na dúvida que me autorizo!) que hoje é quarta feira de futebol (não sei bem que campeonato, mas isso é irrelevante).

E até sei que o Porto joga com o Chelsea, porque os meus zaps pela RPTi me têm proporcionado aqueles momentos de informação e prazer que só a RPTi consegue ("eu cá queria que ganhasse o Porto mas se ganhar o Mourinho também tá bem, até porque isto é tudo ou nada ou se perde ou se ganha", juro que ouvi isto!).

Portanto, se logo chegar a casa em condições de fazer algo que não seja ir direitinha para vale de lençóis, sobretudo que não me passe pela cabeça ligar a televisão!

Tuesday, February 20, 2007

Ele não estica!

O tempo! Falo do tempo!
E neste momento, por via de prioridades cuidadosamente alinhadas, o blogue está em plano secundário.
Na semana que vem será diferente.
Até lá, posts curtos, mal alinhavados, desinspirados.

Sunday, February 18, 2007

Bobby

E como seria o mundo se Bob Kennedy não tivesse sido assassinado?

Um passo mais

Sentia uma ansiedade que tentava disfarçar.

Altos e baixo de humor, como se a esperança que se atrevia a alimentar fosse sentimento estranho e impróprio.

Talvez fosse a razão, a sensata voz da maturidade a travar voos incontrolados e incontroláveis.

Não sabia.

Queria apenas que o momento chegasse para o poder absorver deleitando-se no prazer que antecipava.

E, no entanto, temia esse momento. Depois dele nada seria como antes. Desapareceria a inocência que tudo permite criar, imaginar, idealizar.

No final, quando os últimos convidados saíram, fechou a porta, apagou as luzes e uma sombra cobriu a esperança e disse-lhe que fosse razoável.

Friday, February 16, 2007

Surpresa

Ontem fui agradavelmente surpreendida por uma pessoa que eu nem achava muito simpática.

Parece que é alguém com fases, assim como a lua.

Mas que algumas das suas fases são bem agradáveis, disso já não tenho dúvidas.

E mesmo que, na próxima vez que a encontre, esteja em fase menos brilhante, saberei que tem capacidade para ser diferente.

E, no fundo, todos temos momentos maus, não é assim?

Thursday, February 15, 2007

Gostoso

Ontem fui a uma das mercearias portuguesas cá do burgo e fiquei com os olhos presos no queijo, no presunto, nos demais enchidos, nos pastéis de nata...

É que nós temos mesmo coisas muito boas!

Wednesday, February 14, 2007

Das Leben der Anderen

Se puderem, não deixem de ver este filme!

Para recordar que, ontem apenas, havia um muro na Europa, havia uma Stassi, havia microfones escondidos nas casas das pessoas que, em nome da segurança do Estado, devassavam privacidades.

Havia medo.

Ontem apenas.

Labels:

Sem surpresa

Porque será que alguns substantivos são sempre associados a determinados adjectivos?

Por exemplo, porque será que um "inquérito" é sempre "rigoroso"? Se o governo não anunciar um "inquérito rigoroso" ele, o dito inquérito, será não rigoroso?

Tuesday, February 13, 2007

Perfis

Já repararam que toda a gente enuncia, nos seus perfis, que detesta a mentira e a hipocrisia?

Já repararam que, nos perfis, todos procuram o amor e são amigos fiéis e dedicados?

Que em todos os perfis se sente o cheiro da Primavera e se pressentem os chilreares dos passarinhos?

Ele há coisas...

Pausa

Na loucura dos e-mails que se acumulam, é bom encontrar aquele que se congratula com o regresso e prepara as bases da normalidade, que é sempre bom quebrar para depois reencontrar.

Os habituais cafés com os amigos tomam cores mais tropicais, enquanto uns recordam e outros se deliciam.

O cinzento pendurado nas nuvens que cobrem Bruxelas deixa de incomodar, com os sorrisos de quem planeia novas cumplicidades, que se agendam em encontros para alimentar a amizade.

E a alma vai aquecendo à lareira dos piscar de olhos de histórias vividas em comum.

Sunday, February 11, 2007

Chá

Quando o passado que achavas teu se transforma em imagens que não reconheces e que preferes não transportar para o teu futuro, que sobre ao menos um telefone que ligue as vozes para além da distância e a promessa de um chá, de gengibre para nos transportar para outras paragens!

Adoça-o com mel, mexe distraidamente e nostalgicamente a colher, e acredita que o chá doce que as tuas lágrimas tomam por amargo, é o princípio do que há-de ser.

Ainda é cedo para falar disso, eu sei! Por agora basta o chá. Deixa que o calor que invade as tuas mãos, se prolongue em sonhos só teus, onde ninguém poderá entrar e estragar a ternura de sorrisos cúmplices que se acompanharam ao sol e à chuva.

Vem. Verás que o chá te vai saber bem.

Labels: