Monday, January 21, 2008

Telefonema

Brincava com a caneta com gestos irritados.
Bruscos mesmo.
E não fora esse detalhe, nada afectaria o ar de controlada serenidade que deixava transparecer.
Indiferente ao calor que levava outros a abanarem-se procurando num leque ou numa folha de papel ao acaso o vento refrescante que a natureza negava.
Indiferente ao ruído persistente das buzinas dos automóveis que permanentemente tentavam criar uma ordem impossível nesse normal caos rodoviário.
Indiferente até aos apelos dos vendedores de lembranças, dos taxistas desejosos de partilharem com os forasteiros os seus conhecimentos pátrios.
Como se a mão não fosse dela.
Ou tivesse vida própria, para além do rosto calmo, do olhar pacato.
De vez em quando levava aos lábios um copo de sumo de cana-de-açúcar.
Agitava-o levemente, sentindo o tilintar dos cubos de gelo, embalando-se nesse som ligeiro que, por breves instantes, a isolavam dos barulhos exteriores.
Pousou, devagar, o copo e logo de seguida, como se fosse resolução maduramente pensada, meteu a caneta no bolso, num jeito seco.
Pegou no telefone.

3 Flocos de neve

Blogger pessoana atirou uma bola de neve ...

Caso para dizer:
Vaya con Dios!
Beijos!

10:16 pm  
Blogger Carlos Malmoro atirou uma bola de neve ...

Marcou o número pelo qual se distanciara da cidade onde vivera.
A caneta riscava expressões desconexas, desenhava didascálias para o teatro que se seguiria: escrevia «dizer-lhe em voz firme», riscava, acrescentava «firme, mas suave», alterava, «natural». Mas naturais eram as buzinas dos automóveis, eram os chamamentos dos vendedores, natural era o sumo; aquele telefonema era a negação da naturalidade. Resoluta, desligou a chamada, abriu o telemóvel, tirou bateria e o cartão. Acto contínuo, levantou-se, deitou o pedaço de cartão no lixo, pagou o sumo, e foi-se embora. Tinha dado três passos, quando voltou para trás. Com um sorriso, ofereceu o telemóvel à empregada que a tinha servido, retomou o sentido que invertera e, finalmente, sentiu-se livre. Naturlamente livre.

Beijocas

2:21 am  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Pessoana
Pois.
Beijos

Carlos
Fazes-te raro mas quando apareces é a sério!
O comentário é fantástico.
Beijos

2:16 pm  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento