Friday, February 15, 2008

Fogo-de-artifício

Estava, como os outros, a olhar, maravilhada, o fogo-de-artifício.
Que, entre reflexos de mil cores, iluminava a praia e deixava adivinhar o mar.
O ribombar estremecia-lhe o coração que, vivo, pedia mais, mais luzes, mais cores, mais magia.
Em cada instante de silêncio surgia a dúvida, dita em forma de pedido, ainda não acabou, pois não? E cada nova explosão de cristais nos céus do fim-de-ano lhe permitia a esperança de achar que não haveria fim.
Chegou.
O fim chegou.
Em prolongado instante de silêncio.
Deixou-se ficar por mais uns momentos.
A observar a praia que já não se via.
A ouvir o mar que a escuridão encobria.
A pensar que há gente assim, que brilha em fátuas explosões e que deixa atrás de si silêncio e escuridão.
E há aqueles que têm o brilho bem fundo, pepitas de ouro para quem quiser, pacientemente, arqueologicamente, retirar camada a camada até chegar lá.
Regressou a casa à espera do fogo-de-artifício do ano seguinte.

5 Flocos de neve

Blogger Vieira Calado atirou uma bola de neve ...

É um pouco assim:
fica-se sempre à espera... do próximo fogo de artifício!
Bom fim de semana

1:59 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

É verdade.
Bom fim-de-semana

2:17 pm  
Blogger calamity jane atirou uma bola de neve ...

Bonito, muito bonito.

2:49 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Calamity Jane
Obrigada.
Beijos

5:48 pm  
Blogger LB atirou uma bola de neve ...

Há, há gente assim...!

Beijinho

5:32 pm  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento