Thursday, April 03, 2008

Conto a conto (4)

Estava sentada e escurecida.

Como se a luz fugisse dela. Como se soubesse que era necessário recolher-se para não se reflectir nas rugas e nas lágrimas. Como se tivesse medo de alumiar desgostos, mágoas.

É sabido que se se quiser acentuar o lado trágico da história se deve diminuir a luz, desenhar lá fora trovões e relâmpagos, chuva intensa. Parece que calor escaldante também serve. Sobretudo se fora de época. O que é preciso é transmitir desconforto, espíritos encolhidos ou derretidos, receio e surpresa.

Calo-me. Tento ouvir a chuva a bater nas janelas ou o trovão a ribombar nos céus. Mas só impera silêncio. Pesado. Imposto. Nem ela, sentada ao fundo da sala, enche o espaço com algum suspiro que seja.

Inquieto-me. Espero que o silêncio me dê o cenário de tragédia de que preciso. Esforço-me por pintá-lo de preto, por evitar que por ele passem notas de música ou sons de fala. Espero, caros leitores, que contribuam também e que se abstraiam de ruídos exteriores. Desliguem os telefones e carreguem nas teclas devagar, devagarinho.

As mãos estão desalentadas no regaço. Só se movem em redor de um lenço que, de vez quando, levam à cara. Será para enxugar lágrimas? Para aliviar do suor? Ou apenas movimentos como sinal de vida, repetidos sem sentido, só para prender aquele corpo imóvel e escurecido a este espaço. Aproximo-me.

Persisto em manter esta atmosfera trágica apesar de nada saber. Para mim a escuridão é sempre trágica, é sempre triste. Por enquanto é assim que quero a cena.

Ela virou-se. Lentamente. E falou.

Não sei o que fazer. Pensei em voltar atrás e em cortar esta última frase. Como se atreve a minha criação a assim iluminar o meu texto com falas? Querem ver que ainda se atreve a sorrir?

E sorriu!

4 Flocos de neve

Blogger MRP atirou uma bola de neve ...

Entao mas as tuas personagens nao te obedecem?!

Mas que grande balbúrdia....

5:58 pm  
Blogger Skyman atirou uma bola de neve ...

"Sorriu"! Com aquele sorriso maroto que se acostumara a ver nestas situações de melancolia fingida.
Sorriu ao mesmo tempo que se voltava lentamente, olhando a sua imagem reflectida no espelho e alisando o lenço que afinal, não passava de um adereço para prencher mais um espaço de ficção.
Bjo

12:33 am  
Blogger Carlota atirou uma bola de neve ...

Muito giro, Pitucha! Boa ideia, mesmo!

10:23 am  
Blogger Madalena atirou uma bola de neve ...

O genial processo de criação a funcionar. O teu, querida Pitucha!
beijinhosssssssssssssss

5:54 pm  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento