Monday, June 02, 2008

Livro

A Índia vista através das mulheres é um modo, como qualquer outro, de ver a Índia!
E qualquer outro país, no fundo.
Através das mulheres poderemos ver Portugal ou a Alemanha, a África do Sul ou o Zimbabué.
Através das mulheres vemos o mundo.
Diferente decerto.
Como diferente seria através dos olhos das crianças.
Como diferente seria através dos olhos do poeta!
"May you be the mother of a hundred sons" mostra-nos a Índia que Elisabeth Bumiller viu através do que ela viu que as mulheres vêem.
E nós lemos o que ela viu, não o que elas vêem.
E ficamos porventura incomodadas com a mortalidade das bebés meninas, ironicamente sorridentes com os exageros musicais de Bollywood, perplexas com os casamentos arranjados pela família, perdidas em valores que são outros e que não fazem sentido na sociedade que é a nossa.
Percebemos que a autora quis ser neutra, deixar o seu lado americano de parte, ver para além das cores e das especiarias que é a Índia da nossa imaginação.
Mas, como ela própria admite, não há tal coisa como a neutralidade e aos olhos de uma ocidental (como ela, como eu) não faz sentido a distinção das castas, o queimar das mulheres por causa dos dotes, o martírio das viúvas nas fogueiras. Não faz sentido nascer-se, viver-se e morrer-se nas ruas de Calcutá. Não faz sentido a miserável pobreza nem a riqueza extrema que o país ostenta.
Tal como não faz sentido a alegria sedosa dos saris, o calor molhado das monções, o tilintar dos casamentos Hindus. A diferença é que isto, não obstante não nos fazer sentido, faz-nos sorrir e talvez mesmo sonhar.

1 Flocos de neve

Blogger Carlota atirou uma bola de neve ...

Mais um livro. Venha outro!

11:24 am  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento