Tuesday, September 23, 2008

Não sei, não!

No pequeno horizonte em que se desenrola a minha vida, há um novo agitar de águas: os e-books readers.
De repente, não há newsletter literária que regularmente me ocupa o ecrã do computador que não me apresente as vantagens e desvantagens de tal instrumento.
Confesso que em matéria de gadgets o meu coração balança entre uma natural falta de jeito e uma, ainda mais natural, curiosidade. A maior parte das vezes o entusiasmo esmorece ao fim de alguma informação recolhida. Noutras, nem tanto!
No presente caso, a ideia de deixar de tocar nos livros, de deixar de lhes sentir o peso e o cheiro, arrepia-me um pouco. É assim uma espécie de reacção instintiva que o intelecto deveria controlar e, quiçá, rejeitar, reconhecendo assim ao instinto um estatuto de menoridade.
Foi o que fiz. Melhor, o que tentei fazer.
Isto levou-me a fóruns na net, a webpages informativas, a youtubes de demonstração, a discussões entre amigos.
E a conclusão é, mais ou menos, unânime: o livro, sempre o livro, nada mais do que o livro.
Os argumentos são muitos e diversos.
Admito que me divertiu aquele que se liga à leitura no banho: cai o livro no banho, seca-se. Cai o e-book reader... só prejuízos.
Hum!

8 Flocos de neve

Blogger NoKas atirou uma bola de neve ...

Também não me convencem!

10:08 am  
Blogger magnuspetrus atirou uma bola de neve ...

Aí acho que também sou um pouco conservador, até por há todo um conjunto de história que um e-book reader nunca poderá contar, tal como o nome do antigo dono do livro escrito na margem de uma das primeiras folhas (caso seja em segunda mão), os diversos bilhetes (espectáculos e transportes públicos) e outras preciosidades que guardo dentro do livro ou até mesmo as manchas de chocolate ou café com que nos são devolvidos...
E isto apenas para apresentar alguns exemplos...

12:42 pm  
Blogger Carlota atirou uma bola de neve ...

Leitura no banho?... Quem me dera! Se inventarem algo que permita a leitura no duche, ainda vá. Caso contrário, nem o meu espírito electrónico-aventureiro vai nessa.

1:54 pm  
Blogger Skyman atirou uma bola de neve ...

Adoro estes radicalismos. Não consigo perceber a razão para tantos entraves às mudanças. Como já tivemos esta conversa várias vezes, não me custa mais uma vez alertar-te para o facto de "talvez " ser "possível", um certo "equilíbrio" entre as diversas formas de adquirir a mesma informação. Não me vão dzer por exemplo, que não usam esta mesma forma digital para ler jornais. Claro que não! Na internet!Que horror! É muito mais agradável sujar os dedinhos pelas folhas encardidas de tinta e onde, para além de tudo, podemos também deixar a nossa sapiência desenhada nos quadradinhos das palavras cruzadas!
Bjo. Sky

4:22 pm  
Blogger Pitucha atirou uma bola de neve ...

Nokas
Os livros têm uma magia!
Beijos

Magnus
Mais argumentos contra.
Beijos

Carlota
Era o meu sonho: livros plastificados para ler no duche...
Beijos

Sky
Nada de radicalismos! Conservadorismo talvez. E não se fala dos jornais, só dos livros. Não creio que os e-book readers leiam jornais...
De qualquer modo, a questão não é a Internet, a questão é o desaparecimento físico dos livros (que não dos jornais!). A minha dificuldade está aí, admito, em deixar de ter o livro para manusear. Mas, como sabes, ainda estou um pouco curiosa com o e- reader!
Beijos

5:15 pm  
Blogger leonor atirou uma bola de neve ...

Estou contigo, Pitucha, nada como o livro de papel.
Beijos

6:35 pm  
Blogger Claudette Guevara atirou uma bola de neve ...

Eu penso o mesmo da musica.
O suporte físico a desaparecer, e o prazer de procurar e escolher um CD, DVD, Vinil, também.

[também penso igualmente sobre os livros. pegar neles e folhear, sentir o cheiro do papel...]

2:26 am  
Blogger Carlos Malmoro atirou uma bola de neve ...

Para além desse vantagem, há outras, mais práticas, mas nem por isso menos importantes: a leitura em suporte digital é mais cansativa para a vista e para o cérebro. Além disso, a leitura no ecrã é cerca de 30% mais lenta do que a feita em suporte de papel.
Beijocas

3:30 pm  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento