Thursday, October 30, 2008

Fingir

Nadine Gordimer não me prende.
Talvez não devesse dizer isto de quem já recebeu o Nobel. Talvez esteja em mim o problema de não conseguir acompanhar a genialidade. Talvez seja a língua e a cultura.
O certo é que, nesta renovada tentativa que faço, clube de leitura oblige, enfrento, de novo, os mesmo obstáculos, entedio-me, afasto-me da história e acabo por pousar o livro.
Mas vou tentando agarrar-me a uma qualquer liana desta história que ainda não me enredou, na esperança, a cada página renovada, de que ela me agarre, me prenda, me leve para outra dimensão.
Ontem colei-me a esta ideia: antes havia pretos que queriam ser brancos, hoje há brancos que querem ser pretos.
Não sei por onde me levará esta ideia neste livro que agora leio (Beethoven was one sixtheenth black), mas sei que muitas vezes faço este exercício de pensar que sou quem no sou (para ver como seria se fosse).
A mim, não me leva a lado nenhum.
Vejamos ao livro.

1 Flocos de neve

Blogger Carlota atirou uma bola de neve ...

Isso da leitura sem prazer nunca levou ninguém a lado algum, é sabido. Por isso, bem podes sonhar... :)

11:27 am  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento