Tuesday, November 11, 2008

Noite

A chuva acompanhou a minha noite.
Chuva forte que caía na janela como o jacto de um chuveiro, batida por rajadas de vento que arrancam as folhas outonais, espalhando pedaços de amarelo torrado pelo chão da cidade.
Noite ruidosa em que dormi aos solavancos entre os sons da natureza e aqueles que a minha mente inventa nestas noites de Inverno. Sons e imagens selvagens como o vento, enrolando-se em histórias sem nexo que me extenuam, me deixam à procura de um sentido.
Agora o sol brilha.
É o dia que descansa.
Eu descansarei mais logo.