Tuesday, November 03, 2009

Natal

Disseram-me que o mundo roda.
(O poeta acrescentou até que roda como roda a bola nas mãos de uma criança).
Nunca fui dada às ciências e sinto o meu cérebro pouco lógico por vezes.
(Pois, se o mundo roda, rodará sem fim, como a corda partida de um relógio, ou rodará até ao fim da mola e depois des-rodará em aumento constante de velocidade até chegar ao princípio e depois rodará de novo e depois des-rodará e assim de seguida até parar de todo?).
Acho que o mundo se enrola e desenrola como as ondas do mar, de cada vez trazendo uma coisa nova, uma nova concha, mais um seixo, que, de facto, não são coisas novas!
Este ano houve uma onda mansinha com as abóboras do Halloween, tempo de calmaria como convém nos mares destas nossas praias, que isso de monstros e monstrinhos é mais típico de outras costas...
Mas as ondas invernais já começam a espalhar no areal fitas e bolinhas, um ou outro pai natal, ainda de pequeno porte, agulhas de pinheiro.
O vento ainda não me traz toques de sinos ou coros de crianças.
Vou continuar à espera.
Que chegue o Natal.

1 Flocos de neve

Blogger Ana Paula Sena atirou uma bola de neve ...

Olá, Pitucha :)

Eu também estou à espera do Natal. Por aqui, tem chegado devagarinho, até já reparei que está atrasado, em relação a outros anos.

Lembrei-me de ti. Finalmente, apareceram uns dias bem cinzentos por aqui. Esta manhã choveu muito, até.

Deixo-te um beijinho grande do cinzento de Lisboa!

10:48 am  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento