Wednesday, December 23, 2009

Livro dos livros

"A Cidade depois" de Pedro Paixão reúne crónicas escritas em Nova Iorque ainda sob o pó das torres gémeas em ruínas.
Ler em português alegra-me e perturba-me.
Alegra-me porque é a minha língua e a minha Pátria, como diria o poeta, porque as palavras deslizam por mim com a facilidade de nelas ter nascido.
Por isso mesmo perturbam-me. Fico mais sensível ao português que não é meu, às contracções que nunca faria, aos adjectivos que não utilizaria, às irregularidades que nenhum professor meu teria permitido.
Fico, em resumo, mais exigente.
Ainda assim, estas crónicas valeram por recordar uma vivência recente, por colocar questões que também coloquei em 2001, por dar respostas que ainda hoje dou neste mundo tornado diferente depois do "nine eleven".
A última vez que estive em Nova Iorque, olhei, tal como Pedro Paixão, para aquelas pessoas que viviam uma vida aparentemente normal, admirando-as pela calma que ostentavam. Sobretudo devido ao nervosismo visível das autoridades.

É um livro pequeno que nos obriga a pensar, que indica, em jeito de presságio, os caminhos que hoje percorro numa civilização que se sente em ameaça constante e que eu sei que é a minha.

Em 2001, no dia 11 do mês 9 houve um choque.
Em 2009, a dois dias do Natal, ainda sentimos as ondas que estão se propagaram.
"A Cidade depois" recorda esse tsunami.

2 Flocos de neve

Blogger Mocho Falante atirou uma bola de neve ...

sem dúvida um livro que nos faz parar para pensar não é?

olha deixo-te aqui os votos de um fantástico Natal cheio de coisas boas

beijocas

1:04 pm  
Blogger Mocho Falante atirou uma bola de neve ...

ora viva

passei para deixar uma beijoca de feliz ano novo...até para o ano ;-)

11:02 am  

Post a Comment

<< De volta ao cinzento