Tuesday, March 31, 2009

Dúvidas

Um jornalista, através da rádio, formulou, em forma de pergunta, uma dúvida que, pelos vistos, o assaltara: estariam os jornais em perigo face à Internet?
Entre blogues, twitters, facebooks e outros que tais, haverá tempo e vontade para ler jornais?
Eu, admito, leio cada vez menos jornais (só mesmo nas férias) mas acho muito mais romântica a ideia de tomar um café enquanto se lê um jornal do que tomar um café enquanto se twita no iPhone...

Monday, March 30, 2009

Prece

Hoje, estou sem palavras.

Friday, March 27, 2009

Sexta, pela graça de Deus

A cidade acordou cheia de sol.
No fim-de-semana, com ou sem sol, irei por aí cumprir desejos de saudades como pedido nos comentários do post anterior.
Passarei pelo Ultime Atome com um pensamento para o Periférico. E com saudades de tempos idos.
Cruzarei o Belga e sorrirei a pensar na Claudette.
E andarei pelas ruas desta cidade em gozo de fim-de-semana.

Thursday, March 26, 2009

Comunicando

Há os twitters, os facebooks, os blogues e tudo o demais.
Ficamos a saber muito e, no entanto, quase nada.
Porque há cada vez menos tempo para um café, para trocar emoções para além das palavras escritas.

Wednesday, March 25, 2009

Cidade

Acordei com a chuva a bater na janela.
Talvez tenha sido por isso que acordei sem vontade de acordar.
Ainda assim, fiz o que faço todos os dias.
Agora estou aqui a pensar em algo que me disseram ontem: Bruxelas é a minha cidade.
Quer eu queira, quer não!

Tuesday, March 24, 2009

Arrumações

Depois de muito adiar, comecei finalemente a arrumar a minha estante de livros.
Prevejo uma tarefa assim tão longa e penosa como as obras de Sta. Engrácia.

Monday, March 23, 2009

Redundância

Não vejo filmes de terror porque fico aterrorizada.

Futebol

O que me espanta é que ainda haja quem perca tempo a ver este desporto!

Ou então sou eu que não consigo ver para além dos moços no chão o tempo todo, mesmo quando ninguém lhes toca, a torcerem-se de dor e a levantarem-se dois segundos depois como se nada fora (a menos que a cena esteja a resultar e aí a dor dura um pouco mais).
Isto para não falar dos árbitros que parece não restar um, sequer!, impoluto.

Friday, March 20, 2009

Sintam o nó na garganta (recebido por e-mail)

Um dia o filho pergunta ao pai:
"Papá, vens correr comigo a maratona?"
O pai responde que sim, e ambos correm a primeira maratona juntos.
Um outro dia, volta a perguntar ao pai se quer de novo correr a maratona com ele, ao que o pai responde que sim.
Correm novamente os dois.
Certo dia, o filho pergunta ao pai: "Queres correr comigo o Ironman? (O Ironman é o mais difícil...exige nadar 4 km, andar de bicicleta 180 km e correr 42 ).
E o pai diz que sim.
Vejam estas imagens...

Sexta, pela graça de Deus

Há tradições que me custa não respeitar.
Não são muitas e são quase sempre doces.
Uma há que não tenho conseguido manter, mas que recordo cada ano: as amêndoas na Páscoa.
Será que este ano as como?

Thursday, March 19, 2009

"bof bah"

Acreditem au não, mas alguém entrou por este estaminé adentro à procura de "bof bah".
Enfim, nem sequer sei se "procurar" é o verbo adequado à investigação!
Mas decidi ajudar porque pressinto que alguém que goggla "bof bah" só pode estar a morrer de tédio.
E o tédio, meu Deus, o tédio, é entorpecente, coisinha pequena que mói discretamente.
Portanto, caro leitor, eu "bof" às vezes digo, influência francesa que se sabe nefasta porque a língua portuguesa tem "bofs" suficientes, não precisa de galicismos perniciosos. Agora "bah", lamento mas não uso. Deve ser por nunca ter tido precisão!
Mas farei doravante um esforço para que, da próxima vez que passar por aqui, encontre algo que lhe amenize a vida.
Não agradeça.
Pressinto que o esforço não seja hercúleo.
Aliás, já me estou a ouvir dizer, em dia cinzento, em resposta a um "bonjour" cantado (há sempre uns optimistas fanáticos) "bof bah".

Wednesday, March 18, 2009

Sequelas do regresso

Em processo de actualização, depois de alguns dias fora deste mundo, vou consumindo doses concentradas de informação.
Atrasada.
Muita dela, já sem qualquer utilidade, totalmente fora de prazo.
A maior parte, aborrecidamente previsível porque o mundo andará depressa mas não tão depressa assim...
Mas uma colou-se ao cérebro, ou talvez ao coração, num misto de horror e incompreensão. Como se esquece um bébé num carro? Como vive um pai com a morte, por esquecimento, de um bébé num carro? Como vive a mãe de um bébé que o pai esqueceu num carro?
Recuso-me a pensar, mas as perguntas perseguem-me.
E agarro-me com força aos que não esqueço. Nunca.

Tuesday, March 17, 2009

Apetece-me

Apetece-me escrever.
Sobre qualquer coisa.
Sobre coisa nenhuma.
Porque sim.
Dizer-vos da ansiedade com que espero as primeiras flores no jardim aqui ao lado.
São um sinal, o sinal que espero de que chegou a Primavera.
Aqui ela não vem com som e calor.
Aqui ela vem, não obstante a chuva e o cinzento que persistirão, com uma flor no jardim e um pássaro a chilrear logo pela manhã.
O pássaro ouvi-o hoje, ali ao lado da minha janela.
Falta a flor.
Tenho que ir passear ao jardim.

No regresso

De volta ao meu mundo vou surpreendendo-me com o que sempre conheci e a que me habituei, porque uma pessoa se habitua a tudo.
Agora, e até me habituar de novo, emudeço-me perante a agressividade latente, a ausência de sorrisos, a indiferença perante os outros.
Não durará muito a estranheza, sei.
Daqui a dias, também eu estarei ausente dos demais que me rodeiam, escondida nas folhas de um livro, a gozar o sol, sempre breve, com que Bruxelas nos brinda no momento.

Sunday, March 15, 2009

Aniversário

Entretanto o blogue festejou mais um ano.
Na minha ausência.
Sem ninguém lhe prestar atenção.
Nem eu!
(Para o que está um blogue guardado).

Saturday, March 14, 2009

Back

Chuva!
E esperava eu o quê?