Friday, May 29, 2009

Sexta, pela graça de Deus

Com música.

Wednesday, May 27, 2009

Objectivos

Sou assim.
Com gostos e desgostos, paixões e desamores.
Dito deste modo, acharão que sou de extremos. Mas não sou tal.
Apenas me empenho profundamente, até ao cansaço. Depois, depois da exaustão, ficam memórias e nenhum vazio porque o espaço está, entretanto, preenchido com outra descoberta.
Mas é tudo rápido.
Não tão rápido como os tempos modernos porque os livros ainda têm um ritmo próprio. Para os ler. Porque a música segue o seu andamento. Para a escutar. Porque as fotos exigem enquadramento. Para as apreciar. Porque pensar pode requerer parar. Para meditar.
Ainda assim, sei-me sôfrega e impaciente.
Por isso me fazem tanto bem os treinos longos.
Monótonos.
Duros.
A procurar desenvolver as forças que temos.
A contrariar as nossas fraquezas.
E a vencer o desejo de parar.
A meta é já no domingo que vem.

Tuesday, May 26, 2009

Natureza

Há momentos em que procuro a calma, a tranquilidade.
Imagino um mundo sem ruídos, onde se fala por sorrisos e se caminha dançando, uma vida deslizante, um mar sem ondas, um suave rio.
São os meus instantes em que me deixo embalar por baladas e em que sonho com brisas sussurrantes e refrescos gelados.
E assim me adormeço na irrealidade desenhada...
Até o mundo me provar que tudo isso é passageiro, quando a natureza se desfaz em prolongados relâmpagos e em medonhos trovões, quando a chuva fustiga furiosamente as janelas que lhe interrompem o curso.
Aconteceu ontem à noite.

Monday, May 25, 2009

Por todo o lado

Chegar ao Liechtenstein e a primeira pessoa com quem se fala ser português é prova de que estamos, de facto, em todo o lado!

Friday, May 15, 2009

Sexta, pela graça de Deus

Estou embrulhada em problemas jurídicos até ao pescoço.
Estamos a criar um monstro jurídico, dizes tu?
Está criado.
Começaram a criá-lo em 1957 e depois foi sendo alimentado e foi crescendo.
O problema é que, agora, não lhe querem mudar a casota...
Não adoptem o Tratado de Lisboa, não, e depois digam que o monstro morde...

Thursday, May 14, 2009

Cedo

De manhã, caminhando, observo a cidade em redor.
A música com que me fecho não corta os sons destas ruas barulhentas.
O cinzento não disfarça a sujidade.
Não me falta a variedade: cruzo-me com várias etnias, decerto com diferentes nacionalidades.
Hoje fixei-me num jovem de camisa e gravata, sem blazer, calça curta demais, chapéu de chuva na mão (de um qualquer partido europeu: dia 9 de Maio passado bastava ir buscá-los ao Parlamento Europeu!).
Em vão procuro elegância.

Wednesday, May 13, 2009

13 de Maio

Uma oração.
Um momento de pausa e de silêncio.
Pelo mundo.
por mim.

Monday, May 11, 2009

Este mundo onde vivemos

Interessante.
Ou de como se pode ser juíz e parvo!

Abusos

Não é só no nosso país que existem abusos.
Não serve de consolação.
Mas confirma uma decadência de usos e costumes.
Um pouco por todo o lado.
Infelizmente.

Friday, May 08, 2009

Sexta, pela graça de Deus

Ontem vi mais um daqueles programas que nos explicam os perigos da Internet, os devassamentos possíveis dos nossos dados pessoais, as fraudes em potência que o nosso desconhecimento ou desleixo permitem.
Por isso, limito-me a dizer que está sol em Bruxelas e saio de mansinho.

Thursday, May 07, 2009

Desejo

Quanto mais conheço o Tratado de Lisboa, mais gostava de perceber aqueles que são contra.
Juro.
A menos que já sejam contra os Tratados actuais.
Porque mudanças, mudanças, dessas que podem incomodar e que podem originar sentimentos contrários, não vejo grande coisa...
Expliquem-me ou acabo por me convencer que é tudo uma questão de moda.

Wednesday, May 06, 2009

Conto a conto (22)

Há momentos em que anda escondido.
Sai pouco.
É discreto.
Passeia encolhido pelas ruas, entra com medo nos cafés, espreitando primeiro, conferindo de novo a rua antes de entrar.
Por vezes sinto que apressa o passo, ou que atravessa a rua de forma precipitada.
Por mais que observe, não entendo de que foge, quem evita.
Mas, seguindo-o, dou comigo a fazer os mesmos gestos, a ter as mesmas precauções, a contornar as mesmas esquinas de jeito esquivo.
E imagino que há outro narrador que esteja, agora mesmo, a contar a história de duas pessoas que andam escondidas...

Crescer

Com os desenhos animados do Vasco Granja percebi que havia desenhos animados de que não gostava!
Aborrecia-me quando, em vez do Pica-pau, do Bip-bip, me apareciam pela TV adentro coisas checas, experimentais, que não me faziam entrar em nenhum mundo mágico e divertido.
Mas, vendo as coisas de longe, talvez a culpa não fosse do Vasco Granja. Talvez eu só estivesse a crescer!

Tuesday, May 05, 2009

Mudanças

As mudanças enchem-nos de pó e libertam-nos de papéis velhos, coisas do passado que nem sabemos que ainda temos.
Acabam por ser uma boa coisa.

Monday, May 04, 2009

Obrigações

Nada como ser escolhido, para o clube de leitura, um livro que não nos prende.
Temos que o ler. Sabemos disso. Não há nada a fazer.
Intervalei.
Meti já três livros pelo meio.
Não só me agradaram imenso como tive aquela sensação de estar a fazer algo que não devia, o que dá um gostinho picante muito atrevido.
E aproveitei para lavar as canetas de tinta permanente. Fiquei com pena de não poder blogar com uma daquelas canetas: seria o deleite da escrita.
Entretanto, o livro do clube de leitura continua pacientemente à minha espera.
E eu, lembrando-me dele sempre, finjo ignorá-lo.