Friday, April 30, 2010

Sexta, pela graça de Deus

"Nunca fui (nem quero ir!) a um estádio, a uma tourada… detesto multidões; abomino confusões e balbúrdias; sinto-me mal com a barulheira (nos casamentos, quando chega a parte do baile, se a música é muito alta, raspo-me)… então, porque carga de água é que me inscrevi na missa de dia 11 de Maio?!?!?!?!!?!!? Sim, porquê? Sobretudo se consideramos que a missa é exactamente igual à que o Pe. António, aqui a 100 metros de casa, celebra todos os dias, e que, na televisão a dita “missa de dia 11 de Maio” se verá muito melhor do que no chão duro e muito povoado do Terreiro do Paço?
É um mistério!
Um mistério que a custo explico com o desejo de corresponder a um homem com 83 anos que me vem visitar;
Que – tudo indica – ainda gosta menos de multidões e confusões que eu, e vem;
Que nem sabe que eu existo, e vem;
Que o mundo inteiro insulta e ataca – preparando-se para desfraldar bandeiras negras e distribuir preservativos no Terreiro do Paço -, e vem;
Que podia estar sossegado em Roma ou na Alemanha, e, em nome de Cristo, anda a confirmar os seus irmãos na fé.
Dia 11 de Maio, confirmar-me-á a mim."


Recebi esta mensagem por e-mail.
No dia 11 de Maio estarei a 2000 km de distância do Terreiro do Paço.
Mas, ainda assim, estarei lá.