Tuesday, June 22, 2010

Rapidez

Espanta-me a rapidez com que se passa de besta a bestial.
Quaisquer sete golos servem...

Friday, June 18, 2010

Respeito

Mais do que a morte de Saramago que me entristece a alma, me enojam os comentários de quem não suporta a grandeza dos outros.
Sem links porque não merecem.
Mesquinhos, mesquinhos.

Ouçam

Apesar de tudo, também aqui está uma suave Primavera.
Dá para ter a porta da varanda aberta, umas janelas abertas, dia a entrar-nos pela casa quase noite adentro (adoro o mês de Junho em que o longo dia se declina em prolongado lusco-fusco dando lugar à noite só lá para as 11h).
E dá também para ouvir os sons da cidade, antes abafados pelos vidros duplos: o autocarro que passa, a buzina mais ao longe, um bruá em crescendo que nos mantém a par da excitação do Mundial.
Foi assim que ontem "ouvi" a derrota da França e olhei para a TV no momento do segundo golo.

Thursday, June 17, 2010

Coisas que ficam

De livro em livro dei por mim a ler um sobre a independência da Índia.
O crescendo dos problemas, a falta de melhores soluções levaram à divisão do território em Índia e Paquistão.
Terá sido solução para um problema.
Não o foi decerto para outros problemas.
Terá mesmo originados mais uns.
O certo é que na data determinada, na hora decidida, no momento em que dois Estados nasciam, "Britain was free" segundo a autora.
Porque na vida tudo é relativo.

Felicidade

Ainda não me aconteceu discutir o sentido da vida no meu clube de leitura. Em vez disso discutimos a felicidade.

Desentendemo-nos com o conceito e com tudo o resto porque quando não se sabe do que se fala a harmonia é aleatória.

Ontem, um bando de vermelhos e amarelos espanhóis enrolavam dedos encrespados nas bandeiras pátrias, olhos postos no jogo, coração incrédulo com o resultado.

Eu estava de passagem e não vi o fim. Não vi o desânimo nas caras, nem o desespero nas mãos a desenrolarem cachecóis.

Também não me cruzei com suiços, ao que tivesse dado conta. Estariam felizes, decerto.

Será esta a felicidade de que falariam no meu clube de leitura, a que advém de factos de outrém, que não controlamos e que transporta no seu verso a infelicidade da outra metade?

Enfim, na próxima vez o livro será outro e outras, decerto, as grandes questões a debater.

Wednesday, June 16, 2010

Um governo para a Bélgica

Parece que o rei vai nomear um "informateur".
E, daqui a 15 dias a Bélgica assume a presidência da União Europeia...

Tuesday, June 15, 2010

Não é fácil...

Como é complicado perceber os belgas!
Pensei que o problema, o nó da questão, fosse a separação ou não. Aí estão as bandeiras belgas a esvoaçar nas janelas e varandas, provando, incentivando, a unidade belga.
Vieram as eleições (com o voto obrigatório, sob pena de multa e até de ser riscado das listas eleitorais se a falta for repetida várias vezes...delicioso) e quem ganhou? Do lado francófono os socialistas de Di Rupo. Do lado flamengo os separatistas de De Wever (que, afinal, não são separatistas...parece!).
Sim, mas quem ganhou as eleições? Então, já disse, do lado franc... sim, mas a nível nacional, quem ganhou?
Juro que olharam para mim como se fosse ET. A nível nacional? Mas as eleições não são a nível federal.
Digiro. Com dificuldade. A separação já existe. O demais são serpentinas e papelinhos para fazer a festa. E vuvuzelas se os "diables rouges" tivessem sido apurados (sempre é a equipa da Bélgica).
E quem vai o rei (dos belgas, que não da Bélgica) nomear primeiro-ministro?
(Sinto que estou a usar palavras sem sentido: rei, nomear).
Olham-me resignados: é preciso nascer belga para se perceber a Bélgica.
O rei vai nomear um "formateur" cuja missão será encontrar um compromisso entre todos os partidos permitindo um governo maioritário.
E como escolhe o rei o "formateur"? Como ele quiser (afinal é rei, não?). Uma pessoa de confiança (de confiança de quem? que mau feitio o meu!).

Eu não quereria ser rei dum reino destes. E até estou a pensar declarar a independência de Bruxelas resolvendo assim um dos pomos da discórdia: cada uma das duas partes quer Bruxelas, pois não ficará de nenhuma.


Ainda ouvi dizer que antes do "formateur" o rei pode nomear um "informateur"...mas o meu cérebro já tinha desligado nesta altura. Vou respirar um pouco e já volto para perceber.

Monday, June 14, 2010

Vuvu...quê?

Não gosto de futebol.
Em geral.
Mas em casos especiais vou dando uma olhadela: seria o caso do mundial.
Agora, contudo, plantaram lá umas coisas que têm som de abelhas aos molhos e eu, depois de olhar em volta para ter a certeza de que não há vespas em casa, desligo-me do aparelho e concentro-me noutras coisas.
É desta que nem os jogos lusos vou ver...
(Mas quem é que inventou estas vuvu...coisas?)

Friday, June 11, 2010

Sexta pela graça de Deus

Ouvi ontem na televisão portuguesa um jovem dizer que ser português é uma marca.
Como a Coca-Cola pensei.
...
É o mercado, estúpida.

Thursday, June 10, 2010

Inspiração

Há um tempo para tudo.
Ultimamente não tem sido o tempo destas letras.

Thursday, June 03, 2010

Infelizmente

Como é possível que assim se pense?
Sinto um ardor cá dentro sempre ue ouço barbaridades destas e vejo o prazer com que se alimentam ódios.
Um alimento feito de ignorância e estupidez natural.
Apesar de tudo o que já aconteceu e que todos vimos e lemos, no cinema, nos livros, apesar das memórias para que o horror não se repita, tudo pode acontecer de novo! Em todo o lado, com toda a gente. Ou quase!