Thursday, September 30, 2010

Curiosidade

Foi a curiosidade que me levou a deixar a televisão ligada para ouvir o primeiro-ministro.
Nada mais do que isso.
A mesma curiosidade que me leva a olhar pela janelas iluminadas quando vagueio pelas ruas, que me leva a seguir conversas no café quando espero pela bica.
Nada recordo dos vislumbres das salas iluminadas e das palavras sopradas sem sentido. Meras sensações de momento.
Mas a mensagem de ontem deixou-me preocupada, ainda mais, e desgostada. Mais em linha com um desepero que se pressente.
Procurarei o azul para além do céu cinzento desta cidade cinzenta.

Wednesday, September 29, 2010

Novidades

Perante o ciclo repetitivo da natureza e enquanto me encanto com as folhas amarelas do Outono e me irrito com o frio que já perpassa fora de portas e procuro em vão o cheiro das castanhas assadas e me enrolo agradada nas écharpes e me aninho sob a manta com um livro entre as mãos, espanta-me o desejo sofrêgo e insaciável pelas novidades.

Tuesday, September 28, 2010

Perspectivas

Sou do tempo em que estar longe era mesmo estar longe.
As notícias portuguesas chegavam tarde e aos bochechos; quando chegavam já tinham pouca importância!
O Expresso era a bica e o pastel de nata de domingo de manhã, num corropio de gente conhecida que, como à saída da missa, se sabia unida nas saudades das letras pátrias.
Tirando aquela comunidade expatriada, já ninguém queria comentar coisas de ontem.
Aos poucos instala-se a distância, interesses mais próximos captam a atenção e tudo se relativiza. Não era só lá, não era só como lá, até porque já nem sequer era...
Hoje é tudo aqui e é tudo agora.
Eu, prova de que os velhos hábitos demoram a morrer, mantenho a distância, guardo uma perspectiva diferente.

Monday, September 27, 2010

Aniversário

Uma amiga, daquelas que persiste em sê-lo apesar da distância e do silêncio, avisou-me de jantar de aniversário de curso.
Tens que vir, intimou-me: 25 anos são data!
Não irei porque, infelizmente, a distância não se apaga assim como uma pessoa quer.
Não irei, mas ficarei a pensar por onde raio escorreram 25 anos da minha vida...

Wednesday, September 01, 2010

Ainda

Vou resistindo à ideia de deixar isto.
Afinal, há um tempo para tudo e as mudanças, ainda que diminutas, vão marcando o passo.
Algumas nem chegam a ser: como o tempo em Bruxelas que insiste em permanecer alheio às estações. E eu, pensando bem, que teimo em não me habituar...
Vamos indo, também por aqui, à medida das minhas inspirações.
Por enquanto guardando vivos na memória o sol e o sal.