Thursday, April 12, 2012

História

Aprende-se imenso com os livros de história.
Percebe-se melhor o mundo de hoje: vem de trás!
Dsencantam-se as crises actuais: foi como antes!
Contextualizam-se os fundamentalismos: nada de muito original, de facto!
Confirma-se a descrença no ser humano: o que muda é para que tudo fique na mesma!
Resume-se a presença das nações: não há que fique bem na fotografia!
Nivela-se a bondade das religiões: nenhuma a tem!
Confirmem lá o que digo em Jerusalem: The Biography.

Tuesday, April 10, 2012

Ainda os livros

Perto de casa existem duas lojas de livros de segunda mão.

Onde tenho conseguido encontrar o que quero e o que fico a querer na altura em que vejo os livros.

Numa despedem-se desejando boas leituras.

Noutra, a pessoa fica tão ou mais feliz que nós por encontrar o livro que procuramos.

Venho sempre de lá feliz e com livros.

Ainda não sei se aquelas lojas são uma benção ou uma perdição...

Friday, April 06, 2012

Nem sei que título escolher...

Recuso-me a ser mais um ser manietado pela comunicação social.

Um ser que respira crise, pensa crise, fala crise...

Recuso-me a ser um ser que se indigna quando lhe dizem para se indignar, nos jornais, na televisão, ontem, hoje amanhã.

E para mim, por muito grande que seja o desespero, um suícidio é quase sempre um gesto cobarde, um gesto de desprezo pela família e pelos amigos.

Sobretudo quando na carta de despedida se apela à guerra, à revolução, que ele já não fará.

Não creio que seja um bom princípio: apelar à guerra e à revolução não é solução para nada! Mas se se acha que sim, fique-se aqui a lutar por aquilo em que se acredita.

Ao contrário do que me querem fazer crer, eu não sou grega.

Monday, April 02, 2012

Domingo

Sempre gostei dos pequenos-almoços. E quando os imagino, imagino-os sempre com croissants. (Sou muito permeável a clichés, eu sei). Domingo, a visita de uma amiga deu-me a desculpa de preparar croissants, de descascar laranjas, de torrar pão caseiro com frutos secos e canela. O cheiro dos croissants no forno, do pão na torradeira, misturou-se com o do chá fumegante, com o do café, iluminou-se pelo sol que ontem aqueceu a cidade e completou-se por palavras sem pressa trocadas à mesa.