Thursday, September 13, 2012

De volta

Digo de volta e vejo uma vida redonda, em círculos, repetindo-se, uma e outra vez.
Penso: mas não, a vida, embora repetindo-se, não se repete.
Os círculos que se enrolam e fecham, sendo sempre os mesmos, são sempre distintos.
Engano-me quando me iludo com as rotinas de que gosto. Crendo repetir gestos, faço tudo diferente.
Fui e voltei.
Tantas vezes que fui e voltei.
Mas nunca voltei como fui e nunca fui como voltei.
Não sei portanto porque insisto em dizer que está tudo na mesma. A menos que queira dizer que está tudo diferentemente na mesma! Sei bem que não quero dizer tal.
Nem sempre me apercebo do erro, aliás.
Quase nunca.
Persisto em ignorar o movimento da vida. Devia ter dito inexorável. Não o disse. Mas é!