Thursday, January 29, 2015

Recolhimento

Deleito-me com Nikos Kazantzakis. Descubro a sua vida, sobretudo descubro o seu pensamento com o seu Report to Greco. Como se ele estive ao mu lado, a conversar, a dissertar.
Somos imortais, diz-me, enquanto houver quem se lembre de nós.
 
E ele, que morreu em 1957 segundo o saber dos homens, está ali, vivo, ao meu lado, fazendo-me sorrir por vezes, pensar, quase sempre.
E concordo, claro que concordo.
E dou as boas-noites ao meu pai.